Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

“/Olha pro céu meu amor/ vê como ele está lindo…, epa! Os fogos estão pipocando no céu de Glória, mas não é promessa, nem feitiço e nem dia de santo, é a política, ou como gosta nossa prosaica: a politicagem.

 

Rita de Ney Oliveira e Ediclécio Sá (Camiseiro) - Foto: Reprodução Facebook.
Rita de Ney Oliveira e Ediclécio Sá (Camiseiro) – Foto: Reprodução Facebook

 

Se sai uma decisão judicial ou até mesmo uma provocação do pessoal favorável a um determinado político , tome-lhe fogos!, o povo já nem sabe mais, afinal, o que está acontecendo?, e nesta quinta-feira (24), o bombardeio não deixou quem mora na sede indiferente.

 

Veio a reboque da seguinte notícia: o Tribunal Regional Eleitoral (TRE) tornou válida a convenção do Partido da República realizada pela comissão provisória presidida por Adilma Lisboa, precisamente no dia 05 de agosto.

 

Em miúdos: Rita de Ney (com mandato) e Ediclécio ‘Camiseiro’, disputaram a campanha, se elegeram, mas sabiam que o partido havia mudado de mãos e de lado – ainda que tentassem  revés na justiça-, contudo, a coisa já se desenhava desfavorável,  pois os dirigentes do PR  foram unânimes em apoiar o Partido Progressista.

O que acontece agora com a decisão do TRE, dos mesmos ficarem sem seus respectivos mandatos, não surpreendeu a quem costuma usar os miolos.

 

Não é justo dizer que o PR da situação, por assim dizer, jogou a vereadora e o então candidato para os leões, tentou-se ainda um acordo – visto com maus olhos também por vereadores que estavam no grupo do PP, e a coisa não avançou. Eis que agora, Rita que obteve 541 votos e Camiseiro que conquistou 314 votos ficaram sem o mel nem a cabaça.

 

Em entrevista à RBN, Carlinhos do Brejo – da ex-diretoria republicana,  disse que haverá recurso, um efeito suspensivo, e segundo afirmou, tanto Rita como Camiseiro serão diplomados no dia 14. Caso aconteça, e os vereadores continuem exercendo o mandato em 2017, será o caso dos eleitos sem partido, de acordo com a decisão da 2º instância, uma vez que Adilma Lisboa fez a convenção, preside a comissão provisória, e na ocasião não os filiou.

 

A nova configuração da Câmara; caso permaneça a lógica

 

Ao invés de sete edis, o prefeito eleito David Cavalcanti (PP), terá em sua base  dois terços dos vereadores, com oito. Chegam Bezeca (PTN) situação, e Dorginho (PV) oposição que fica com três, num total de onze vereadores.

 

Enquanto o dia 14 não chega, haja fogos para espantar os bichinhos e chatear o adversário.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

2 respostas

  1. Pouca vergonha tão bom de parar de gastar o dinheiro dó povo com advogados e mandar remédio pos posto médico carro prá pegar ò lixo e merendas pras escola quê faltou faz e tempo os alunos tem que levar LANCHE de casa prá não passar fome na escola isso tudo ta faltando na baixa dás pedra.

  2. Que maravilha. Tomara que não consiga mesmo ser diplomada. Ney nunca conseguiu e nem nunca conseguirá ser eleito e faz a mulher de testa de ferro só pra ficar mamando. Trabalhar faz um bem danado. Devia experimentar

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.