Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

A abstenção da vereadora tem causado interpretações diversas e quase todas equivocadas, no que diz respeito à aprovação do crédito adicional de 8 milhões pedidos pelo prefeito Anilton Bastos (PDT), pelos seus colegas de bancada.

 

dsc_7778
Sessão ordinária da Câmara Municipal de Paulo Afonso.

 

A pauta atropelou os 30 dias a que poderia ficar para apreciação e foi votada em regime de urgência, urgentíssima. Exatamente aqui a divergência de Leda Chaves (PDT).

 

″A minha abstenção, nas duas votações significa que realmente precisávamos de mais tempo para ler item por item e votar consciente″, explicou.

 

É preciso dizer que o colega Zezinho (PTN) e o próprio Manoel Carreira (PDT) também oscilaram, o primeiro chegou a pedir o adiamento da votação, mas foi convencido pelo líder, Marconi Daniel (PHS), a votar imediatamente.

 

A vereadora que vai para o seu segundo mandato disse abertamente que não age sobre pressão e só vota quando tem certeza do que está fazendo.

 

″Não entro em joguinhos, a gente precisa fazer as coisas com consciência e não houve tempo para isto″, afirmou.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Uma resposta

  1. Eu queria saber qual.foi mesmo a posição dessa vereadora ao longo desse tempo? Ela fez esse tempo? Porque o.marido dela levou sua parte contrária ao.prefeitinho inclusive com várias críticas e ela nunca disse nada?? Não.sei.pra que ocupar um cargo.publico e ser chacota. Será mesmo só.pelo dinheiro? Mas ela tem boa condição financeira..entao fica pior ainda..

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.