Por

Ascom - MPE/AL

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

fabiano

 

Em defesa do sistema de freios e contrapesos que caracteriza o respeito à tripartição dos poderes no direito brasileiro, o Ministério Público do Estado de Alagoas (MPE/AL), por meio da Promotoria de Justiça de Água Branca, ajuizou, nesta segunda-feira (5), uma ação civil pública por ato de improbidade administrativa, com pedido de afastamento cautelar, em desfavor do prefeito de Pariconha, Fabiano Ribeiro de Santana. Este município é termo da Promotoria de Justiça em destaque.

 

Na ação, o MPE/AL responsabiliza o prefeito de praticar ato de improbidade quando deixou de repassar o duodécimo da Câmara Municipal relativo ao mês de novembro, previsto para o dia 20, e quando o repassou em valores menores no meses de janeiro a setembro, sem observar a Lei Orçamentária do Município (Lei Municipal 295/2016). Segundo o órgão ministerial, a Prefeitura apenas foi fiel à legislação no repasse do mês de outubro, quando depositou R$ 125 mil nas contas da Casa Legislativa.

 

“A sua persistência em repassar a menor o duodécimo devido ao Poder Legislativo de Pariconha em todo o ano vigente sem qualquer explicação ou motivação, e mais, não repassar o duodécimo do mês de novembro para a Câmara Municipal de Pariconha, inviabilizou deliberadamente o funcionamento do Poder Legislativo conforme se provará nos autos e interferiu diretamente na dialética do sistema democrático, provocando fratura exposta ao sistema de freios e contrapesos (checks and balances) e da tripartição de poderes”, explica o promotor de Justiça Eládio Pacheco Estrela.

 

Por entender que a conduta do chefe do Poder Executivo de Pariconha também se configura crime de responsabilidade, o promotor de Justiça representou Fabiano Ribeiro de Santana na Câmara Municipal, sugerindo aos vereadores a cassação do mandato político do gestor. Confira a representação na íntegra aqui.

 

Improbidade administrativa

 

Para Eládio Estrela, o ato de improbidade administrativa do prefeito de Pariconha é enquadrado no desrespeito aos princípios constitucionais da Administração Pública, entre eles, o da separação de poderes, legalidade, moralidade, impessoalidade, publicidade e eficiência.

 

Segundo o promotor de Justiça, além dos problemas no repasse do duodécimo à Câmara Municipal, a Prefeitura deixou de atender os pleitos do Poder Legislativo na sua atividade de controle externo ao negar informações contábeis e até o recebimento de correspondência oficiais da Mesa Diretora. O representante do Ministério Público também constatou que Fabiano Ribeiro também praticou quebra de decoro ao usar expressões “incompatíveis e indignas” com o presidente da Câmara.

 

“Não pode deixar de ter consequências no campo da improbidade administrativa aqui sub examinem, a quebra premeditada do princípio da separação de poderes, pois, inibindo o Órgão de Controle Externo de fiscalizar o Poder Executivo quer pela sonegação da prática dos atos de ofício e ausência de transparência das informações sensíveis, quer sufocando-o financeiramente transformando-o num títere do Poder Executivo, teve como tem por objeto, maniatá-lo até torná-lo famélico, dependente de migalhas e deixe de funcionar, tornando o Poder Executivo ABSOLUTO e dominador, estabelecendo-se definitivamente a débâcle da democracia”, destaca Eládio Estrela.

 

Afastamento cautelar

 

Como justificativa para o pedido de afastamento cautelar do mandatário do Município de Pariconha, o Ministério Público Estadual alega “grave lesão à ordem pública”. O órgão ministerial teme que a permanência do gestor no cargo prejudique o restabelecimento do fluxo de caixa da Câmara Municipal, objeto gerador da ação civil pública por ato de improbidade administrativa. Soma-se a isso, o fato do prefeito Fabiano Ribeiro de Santana ter capacidade de influenciar negativamente na administração e interferir na produção de provas no caso em que é processado.

 

“[…] o pedido de afastamento do Prefeito de Pariconha não se firma em cima de ficção. Não é fruto de conjecturas; há, sim, à saciedade, provas irrefutáveis que a sua permanência no cargo poderá frustrar as medidas necessárias ao restabelecimento da ordem pública, gravemente debilitada pelas suas pirotecnias institucionais e dar azo a prejuízos à instrução processual pela sua já comprovada conduta concentradora de poder que pode influenciar na vontade dos subordinados na distorção das provas necessárias à verdade real”.

 

Pedidos da ação

 

Além do afastamento cautelar do prefeito, a Promotoria de Justiça pede ao Poder Judiciário que determine ao sistema de Controle Interno da Prefeitura a demonstração no processo dos valores da arrecadação, com a respectiva fórmula de cálculo dos valores do duodécimo do Poder Legislativo, mês a mês, a contar de janeiro a novembro, exceto outubro.

 

Junto aos dados financeiros, o órgão ministerial requer os atos que trouxeram publicidade a eles, de modo a justificar o repasse diferente do valor duodécimo estabelecido pela legislação, somente pago no décimo mês.

 

Em virtude do ato de improbidade administrativa, o MPE/AL pede a condenação do réu à perda da função pública, suspensão dos direitos políticos de três a cinco anos, pagamento de multa civil de até cem vezes o valor da remuneração percebida pelo agente e proibição de contratar com o Poder Público ou receber benefícios ou incentivos fiscais ou creditícios, direta ou indiretamente, ainda que por intermédio de pessoa jurídica da qual seja sócio majoritário, pelo prazo de três anos. A pena está prevista na Lei nº 8.429/1992.

 

Crimes de responsabilidade

 

Entre os crimes de responsabilidade apontados pelo promotor de Justiça Eládio Pacheco Estrela, encontra-se o não envio do repasse de duodécimo ao Poder Legislativo até o dia 20 de mês; o repasse inferior de recursos em relação à proporção fixada na Lei Orçamentária; o impedimento do funcionamento regular da Câmara; o descumprimento do orçamento aprovado para o exercício financeiro; e o modo de agir incompatível com a dignidade e o decoro do cargo.

 

“Represento o prefeito de Pariconha por ele ter infringido o art. 4º, inciso X do Decreto-Lei 201/67, ao proceder de modo incompatível com o decoro e a dignidade do cargo. Durante visita oficial à Câmara Municipal para tratar de assuntos referentes a Lei Orçamentária Anual e duodécimo, o gestor se portou de forma debochada com o presidente da Casa Legislativa, ao tachar de ‘picuinha’ o fato de este pedir, por ocasião de visita oficial aquele Poder, que o prefeito recebesse os ofícios que tratavam do duodécimo não repassado no mês de novembro e da LOA de 2017. O gestor disse que ‘por a presidência estar com picuinhas, não vai receber os ofícios acima citados’”, explica o promotor em relação ao último dos crimes de responsabilidades elencados.

 

O representante do Ministério Público do Estado de Alagoas lembra que o crime de responsabilidade tem caráter político, uma vez que pode levar à cassação do mandato, caracterizando-se pela imposição não de uma pena, mas de uma penalidade.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Uma resposta

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.