Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

Há coisas que se faz necessário testemunhar para acreditar, quem ver assim então senhores do Regimento Interno, homens que até bem pouco tempo se engalfinhavam para não aprovar ‘de qualquer jeito’ um crédito adicional não pode crer nas linhas que seguem.

 

Patrícia Alcântara - Secretária Municipal de Palnejamento (Foto: Ivone Lima/PA4.COM.BR)
Patrícia Alcântara – Secretária Municipal de Planejamento (Foto: Ivone Lima/PA4.COM.BR)

 

Quanto a aprovação do Orçamento anual para o exercício financeiro de 2017, no valor de R$ 280 milhões, devidamente explicado pela secretária de planejamento Patrícia Alcântara e depois, pelo procurador do município, Flávio Henrique – a Câmara tinha mesmo que aprová-lo – salvo algumas observações.

 

O negócio é que, já nos 48 minutos do segundo tempo, entra um projeto de crédito adicional de pouco mais de R$ 7 milhões, lido e votado imediatamente, segundo a secretaria, sob pena de fornecedores, bem como funcionários – inclusive da educação, terem seus pagamentos atrasados.

 

Não deixa de ser curioso como uma matéria de tamanha importância chegue à Casa e, no mesmo instante precise da apreciação e votação – ou o governo não tinha conhecimento da necessidade destas anulações?, que os projetos na Câmara, pelo menos no papel, precisam seguir um trâmite até chegar à Ordem do Dia? Então, porque só hoje no ‘apagar das luzes’ como bem lembrou Petrônio Nogueira (PDT), é que os vereadores tomam conhecimento?, e pior, votam.

 

 

Esta é apenas uma questão de fundo, o que salta aos olhos é ver como se comporta o Legislativo numa situação dessas. Na Câmara, que não se omita a verdade: o governo chega, faz barba, cabelo e bigode, aprova o que lhe der na telha e não há qualquer comprometimento por parte da maioria dos vereadores nem no momento da leitura dos projetos – a não ser aprová-los, muito menos na sequência.

 

dsc_9554

 

Por óbvio que votar a previsão orçamentária não é o cerne da questão, quanto mais recurso melhor, o grande problema é acompanhar e cobrar que o executivo cumpra o combinado. Alguém acredita que esta é uma preocupação do Legislativo?, diante do que se vê nas sessões semanais?

 

Orçamento graúdo

 

″Nós tivemos muitas perdas: ICMS (imposto sobre operações relativas à circulação de mercadorias), perda de royaltys e perdas de recursos e nós conseguimos manter fornecedores e os pagamentos antes mesmo do dia 30, com todas as dificuldades″, explicou Patrícia.

 

dsc_9558
Flávio Henrique – Procurador Jurídico do Município (Foto: Ivone Lima/PA4.COM.BR)

 

Segundo afirmou a secretária, a previsão orçamentária ganhou esta expectativa exatamente pela recuperação dessas receitas – saindo dos atuais R$ 218 milhões, para os R$ 280 aprovados hoje.

 

Ainda referindo-se ao ICMS, o procurador Flávio Henrique ratificou as informações dadas por Patrícia em que Paulo Afonso passa a ser o 5° município em arrecadação, ficando atrás apenas de Salvador, Camaçari, Feira de Santana e São Francisco do Conde.

 

Flávio também culpou o tabelamento do preço da energia praticado pelo governo federal, que foi um baque nas contas do município.

 

″Nós conseguimos em julho a republicação do valor adicionado do município de Paulo Afonso, desde a época que o preço da energia foi tabelado[…] passamos de R$ 0,67 para 2,03 ou seja, quatro vezes mais o que recebíamos de ICMS″ reforçou Flávio, explicando assim de onde vem os recursos.

 

 

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

9 respostas

  1. As perdas só o povo que terá, enquanto esses senhores feudais e administradores do dinheiro da população não terão perda de nada, continuarão com suas benesses e privilégios como sempre ostentando sobre o povo. Essas caras de defunto sentados na platéia é só teatro de quem sabe que não irá perder nada!

  2. Esses caras que aí estão sentados um ao lado do outro com certeza irão comemorar e muito, quanto mais dinheiro melhor para cobrir o rombo que existe na administração em 2016 e em 2017, eles concertam com o que sobrar. Fica tudo na mesmice. Quem sabe faz a hora não espera acontecer, assim, já dizia Valdenor Teixeira, se não disse vai dizer. Abraço companheiros!

  3. Palmas!!!!!
    Isso quer dizer que os funcionários, FINALMENTE, receberão reajustes nos salários, pois há OITO anos que não sabemos o que é isso. Isto é, a desculpa era sempre a mesma, A CRISE, ou seja, se teve esse grande aumento no orçamento, IMPOSSÍVEL NÃO SE TER REAJUSTES DE SALÁRIOS DOS FUNCIONÁRIOS. Ou será que vamos continuar sonhando? SERÁ?

  4. Fileira de ratos, ratos, ratos e ratos que engordam as custas do povo mamando numa teta que nunca seca, e só quem se arrebenta é o povo enquanto os ratos se fartam e engordam assustadoramente!

  5. Toda esta choradeira pode ter um final feliz e é muito simples, só precisa o povo eleger um candidato da oposição. o que, se continuar com os aliados – PMDB com PP – feitas na eleição passada, vai ser muito difícil acontecer. O povo não aprovou aquela aliança e o responsável pela derrota não o candidato a prefeito, foi sim, alguns candidatos que o povo não aceita e alguns prepotentes, que queriam ganhar no grito e nas ofensa pessoais feitas aos candidatos da situação. O exemplo foi o ex-prefeito RC que não aceitou se coligar com nenhum partido e obteve mais de dez mil votos. Outro exemplo foi a votação do PMDB/PP, se dividirmos a votação da coligação PMDB/PP, cada um dos partidos ficaria com cerca de dez mil votos. Pergunto quem desta coligação prejudicou quem?

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.