Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Foto: Divulgação

Há quase um ano atrás os dias marcavam apenas a passagem do tempo. O relógio executava sua função a cada tic tac habitual nos lembrando os segundos, minutos e horas e nossa pressa, nossa urgência, nossos interesses de outrora. Não ocorre mais dessa forma. Dizem que uma imagem vale mais do que mil palavras. Muitas vezes sim. Quantas palavras valem essa imagem?

 

Eu tenho um número quase preciso. E nem de perto condiz com a quantidade de palavras que escreverei aqui. Caso valessem, eu teria que escrever trezentas e quarenta e uma palavras ou nomes. Essa é a estimativa dos números de brasileiros tragados pela COVID-19, de acordo com a atualização de 7 de maio de 2021.  Vidas perdidas em uma batalha inconsciente e desigual!

 

Não trago a imagem ou os números com o intuito de causar um pânico ou angustia coletiva. Esses sentimentos já se instauraram em nossas vidas há muito. Trago a imagem e os números com o ímpeto de expressar minha indignação como parte desse todo e de talvez fazer com que o leitor se questione acerca da correlação desses números como a estrutura atual, com os interesses atuais, com as ações ou ausência delas no combate ao vírus ou em prol de nossas vidas.

 

O chão é a parte que nos cabe nesse latifúndio? Covas rasas? A Quase indigência? Existe de fato sentindo em reabrir templos nesse momento sejam de qualquer viés religioso? Não me interpretem mal. Respeito o quinto artigo da CF com uma seriedade ortodoxa. Existe lógica em propostas que visam a flexibilização da fase vermelha em alguns municípios e estados através da reabertura de bares e restaurantes? Isso é compatível com o número citado acima? Acredito que não. Sei que são inúmeros questionamentos, mas os faço cotidianamente.




 

A quem essas medidas de fato contemplam? Não se enganem… Não é povo, não é pobre, não é pequeno empreendedor. Essas medidas visam apenas apaziguar os ânimos de uma classe que muito pouco se importa com a maioria da população. Se de fato a preocupação fosse legitima com os que estão sendo mais afetados, esses receberiam subsidio para passar por esse momento sem ter que arriscar suas vidas em uma labuta diária entre o pão e a vida. Haja vista a diminuição significativa do tão emblemático auxilio emergencial.

 

O mais vulneráveis como sempre são os que mais sofrem: sem álcool, mascaras, perambulando entre o medo e a desesperança. Quando acometidos pelo vírus… O enredo não muda muito. Morrem em filas ou em casa por falta de leito e insumos. A conta está alta e quem paga por ela são os que menos tem.

 

Nós, os sobreviventes dessa guerra biológica, ideológica e política precisamos acordar para o fato de que estamos juntos em um navio guiado por um capitão que nos leva para o caos ao invés do cais.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

6 respostas

  1. Essas medidas ditatoriais de prefeitos e governadores só atingem os pobres e trabalhadores pois, essa esquerda que os militantes tanto defendem não acabou com a pobreza em mais de 16 anos no poder e foi derrotada por estar desacreditada e, a saída foi usar o vírus para uma briga política para aumentar o desemprego e a fome para botar nas costas do governo federal, enquanto continuam recebendo vacinas e milhões do mesmo mas, escondem números e em nenhum momento mostram ou falam da quantidade de recuperados, só falam em mortes para causar terror nas pessoas e deixar em pânico. Mandaram o povo passar todo o ano de 2020 em casa para preparar o sistema de saúde e, quase nada fizeram com as cifras milionárias que receberam do governo federal

  2. Uma tristeza sem palavras que a possam explicar me invadiu os dias e noites. Tantos óbitos por nada… pra nada. Sem rostos, sem imagens, apenas números oficiais.
    Parabéns pelo excelente texto.

    1. Essa menininha de esquerda caviar e com rebeldia sem causa tem dado suas opiniões ridículas e ouvidas pelo site por algum motivo. Se juntar com amiguinhas em bares da capital e achar que as idiotices da esquerda são certas e perfeitas e os que são contra elas são os de direita mauzinhos não cola. Tá na hora de acordar e parar de pensar que todo mundo é bobo, viu!!kkkk

  3. Pior vírus no Brasil foi o COVID-13. Esse tanto enganou como acabou com a saúde, educação e segurança. Só prejuízo.
    E ainda tem o STF que esta aí como continuação dessa corja pra prejudicar o que resta.
    Estamos no tempo de viver da Fé e buscar estar mais próximos de Deus e assim poder superar tantas crises. Crises essas que já existentes desde o PT. Agora o Covid-19 vindo de pais comunista é claro. Nenhuma surpresa.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.