25 de setembro de 2021

Em que ano estamos? Faces de uma distopia real. Por Evelyn Santana

Evelyn Ferreira Santana Silva

 

A data de ontem, 31 de março, me faz parar e refletir acerca dos desdobramos dos tempos atuais. Nesse dia, em 1964, ocorria o golpe militar. Observo o golpe que instituiu a ditadura militar em nosso país sob duas óticas:  A da história documentada através de livros, relatos, documentários e da história transmitida a mim pela oralidade e de sobreviventes.

 

Através de dois grandes homens que passaram por minha formação: Manoel Ferreira da Silva, meu avô e Manoel, meu grande e saudoso amigo.

 

O primeiro, foi movido pelo ímpeto da resistência diante daquilo que julgava não ser justo para seus companheiros trabalhadores. O segundo sem sobrenome, conheci em tenra idade, batendo em minha porta, com ele, entrou também história. Os dois resistiram, cada um a seu modo e de acordo com seu contexto. Os dois foram retaliados, e levaram consigo as agruras de tempos de ausência de liberdade, mas também a leveza de não terem se curvado diante da opressão. A convergência entre os dois, para além do nome… O golpe de 1964 e a luta pela liberdade e justiça.

 

Nesse momento, você leitor, pode estar se perguntando qual a relação entre os acontecimentos  narrados acima com o momento atual e por que a pergunta inicial presente no título” em que ano estamos? ”. Vou lhes responder.

 

O andamento vigente se parece muito com os acontecimentos que culminaram no golpe de 1964. Prisões, desordem nos ministérios, retaliações em termos de censura, proibição quase que institucionalizada a manifestações que se oponham às decisões e direcionamentos tomados pelo Estado e distorção ou sublimação da verdade em muitos contextos. Por isso a pergunta. Em que ano estamos? 2021 ou 1964?




 

Entretanto, o título do texto que escrevo hoje tem como continuidade… “ faces da distopia real” Também irei responder acerca disso. 1984 é um romance distópico da autoria do escritor britânico George Orwell e publicado em 1949. No livro, os habitantes da província vivem sob a vigilância governamental onipresente e manipulação pública e histórica. Os habitantes deste superestado também estavam submetidos à linguagem inventada pelo governo. O superestado está sob o controle da elite privilegiada do Partido Interno, um partido e um governo que persegue o individualismo e a liberdade de expressão como “crime de pensamento”, que é aplicado pela “Polícia do Pensamento. Acho a similaridade entre a obra de ficção e o momento vigente, no mínimo, peculiar. Provoco o leitor com algumas perguntas: Em que ano estamos? Será que a vida está imitando a arte?

 

 

 

Evelyn Ferreira Santana Silva nasceu em Paulo Afonso- BA, cresceu em Maceió- AL. Tem 28 anos é graduada em serviço social- UFAL, pesquisadora no âmbito de políticas públicas, assessora acadêmica, feminista, militante e compositora.










WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Comentários 9

  1. Xico says:

    Ate que fim uma voz nova e diferente nesse site.

  2. CHESFIANO QUE NÃO É BRUXO,,, MAS SABE O DIA DE AMANHÃ. says:

    EM 1964 SAIR NAS RUAS NÃOPODIA PORQUE UM FAMIGERADO TOQUE DE RECOLHER EXPULSAVA O POVO DAS RUAS..
    EM 2021 A MESMA SAFADESA,,,
    UM TOQUE DE RECOLHER NUS EXPULSA DAS RUAS…
    EM 1974 NUM REGIME MILITAR COM TOQUE DE RECOLHER ,
    TEVE A PANDEMIA DE MININGITE E UMA LOCKDOW NO BRASIL QUE MANDAVA PRENDER QUEM SAI-SE DE CASA PRÁ ANDAR NA RUA E A MÍDIA NÃO POIDA MOSTRAR EM 1974..
    HOJE MOSTRAMOS NAS REDES SOCIAIS…

    • Adri says:

      Hoje os partidos de esquerda que criticam tanto o Regime Militar esta fazendo o mesmo. Toque de recolher, prendem trabalhadores. Agora decidem até o que podemos comprar ou não.
      Se isso não for ditadura do comunismo mais uma vez tentando implantarem no Brasil, não sei mais o que é.
      É o PT querendo voltar ao poder também. Um monte de desgraça junto. Só pode ser o fim dos tempos.

  3. Adri says:

    Golpe Militar não, Regime Militar o correto. E graças ao Regime Militar nosso Brasil não foi tomado pelo comunismo. Eu não vivi nesse tempo, mas meus pais sim. contam que foi um tempo de ordem, respeito e sossego. E só quem era contra a lei (que é o que mais tem de uns anos pra cá) não gostaram do Regime Militar.
    Portanto viva 31 de Março. Essa data sim é e sempre será histórica para nossa nação.
    E realmente hoje, com alguns governadores comunistas, estamos vendo prisões de trabalhadores, toque de recolher, tirando nosso direito de ir e vir.
    Essa desordem que está hoje, o STF tem grande culpa.
    Oremos, mas segundo a Bíblia virão dias piores, e quem estiver com Deus, terá forças para superar. Jesus esta voltando.

    • Maria says:

      Observação perfeita, e a contra revolução
      de 1964 ocorreu devido ao apelo popular que foi às ruas para que não fosse instituída a “ditadura do proletariado” (comunista) em nosso país que era o objetivo dos desordeiros dos movimentos terroristas da época e que graças à Deus no dia 31 de março tiveram os planos abortados. Eu vivi o período tínhamos educação, a criminalidade era baixa, deixamos de ser um país agrícola nesse período e diferente das ditaduras, o povo podia andar armado e pois o que tínhamos aqui era na verdade um “regime militar de excessão” onde havia alternância de governos e os presidentes eram eleitos indiretamente pelo congresso nacional . Viva o 31 de março que nos libertou do comunismo!

  4. Pedro says:

    1917, Revolução Russa. Não, melhor, 1953, Revolução Cubana. Tá feliz?

  5. J. Cícero Alves says:

    De fato, vivenciamos hoje no Brasil tempos muito parecidos com os dias sombrios que antecederam à instauração do regime ditatorial, iniciado em 1964 em nosso país.

    É como se estivessem voltando a nós os fantasmas de um passado trágico para a nação brasileira, quando militares por meio de um Golpe de Estado tomaram o poder, dando início a uma ditadura, que se estenderia por 21 anos, resultando em morte, tortura e desaparecimento de brasileiros que bravamente lutaram contra a tirania brutal que se impôs no país, sobretudo nos ditos “anos de chumbo”.

    Após um período de mais de 30 anos de democracia, é lamentável ver o país mais uma vez na escuridão de um regime obscurantista que se pretende despótico.

    A democracia só se realiza de forma plena quando o povo está no comando, eis que em um Estado democrático, todo poder deve emanar do povo. Governos ultraconservadores costumam resultar em ditaduras, muitas delas sanguinárias.

  6. Laís says:

    Onde estavam os militantes durante os 16 anos de desgovernos petistas? Por que passam pano para os péssimos índices de segurança,e educação alcançados, para os desvios exorbitantes, os escândalos de corrupção e para a pobreza usada como voto de cabresto pelos populistas e, que nunca acabou ao longo de todo esse periodo? O que vivemos hoje é culpa dos anteriores dos democratas de fachada que preferiram roubar e construir estádios padrão FIFA para desvios gigantescos em detrimento a construção de hospitais que trariam retorno a população.

  7. A VOZ says:

    SE NÃO FOSSE A CONTRA REVOLUÇÃO QUE COMEÇOU PELA CAMARÁ ONDE ORDENARAM A VACÂNCIA DE JOÃO GULLARD DEPOIS DE UMAS DAS MAIORES MANIFESTAÇÕES CIVIS POPULAR CONTRA A DITADURA PROPRIETARIADA QUE VINHAS EM DIREÇÃO AO BRASIL HOJE SERIAMOS UMA CUBA VENEZUELANA QUE É O QUE LULARAPIO QUER.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!