Por

REDAÇÃO, COM G1

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Cemitério Nossa Senhora Aparecida em Manaus, Amazonas, estado que registrou maior crescimento de mortes em 2021. Foto: MICHAEL DANTAS / AFP



 

 

O Brasil bateu, pelo segundo dia consecutivo, o recorde de mortes por Covid-19 notificadas em 24h. Foram 1.840 óbitos contabilizados pelas secretarias estaduais de saúde. O país totaliza 259.402 vidas perdidas para o novo coronavírus. A média móvel também bateu um novo recorde: 1.332. É o quinto dia consecutivo que isto ocorre. O cálculo está 29% maior do que duas semanas atrás.

 

Desde as 20h de terça-feira, 74.376 novos casos foram registrados, elevando para 10.722.221 o total de infectados pelo vírus Sars-CoV-2 no país. A média móvel foi de 56.602 diagnósticos positivos, 27% maior do que o cálculo de 14 dias atrás.

 

A “média móvel de 7 dias” faz uma média entre o número do dia e dos seis anteriores. Ela é comparada com média de duas semanas atrás para indicar se há tendência de alta, estabilidade ou queda dos casos ou das mortes. O cálculo é um recurso estatístico para conseguir enxergar a tendência dos dados abafando o ruído” causado pelos finais de semana, quando a notificação de mortes se reduz por escassez de funcionários em plantão.

 

Na avaliação da epidemiologista Ethel Maciel, este número alto de mortes por Covid-19 no Brasil é o resultado de erros consecutivos.

 

— Erros na condução da pandemia, do que deixamos de fazer, da falta de informação ou da desinformação que o próprio governo propagou. Todas essas medidas nos fizeram chegar até aqui. Nunca terminamos uma primeira onda, nunca tivemos controle da pandemia.

 

Mais de 9 milhões de doses aplicadas
Vinte e dois estados atualizaram seus dados sobre vacinação contra a Covid-19 nesta quarta-feira. Em todo o país, 7.351.265 pessoas receberam a primeira dose de um imunizante, o equivalente a 3,47% da população brasileira. A segunda dose da vacina, por sua vez, foi aplicada em 2.303.850 pessoas, ou 1,09% da população nacional.

 

Os dados são do consórcio formado por O GLOBO, Extra, G1, Folha de S.Paulo, UOL e O Estado de S. Paulo e reúne informações das secretarias estaduais de Saúde divulgadas diariamente até as 20h. A iniciativa dos veículos da mídia foi criada a partir de inconsistências nos dados apresentados pelo Ministério da Saúde.




 



Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.