Por

REDAÇÃO - PA4.COM.BR

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Foto: Google



 

 

A História registra as etapas que precedem a ruptura de uma ordem vigente. Algum golpe da Natureza como pestes, secas e fome, novas pandemias, aumento descontrolado do custo de vida (carestia), descontrole econômico por incompetência do governante, espoliação exagerada do povo por parte do tirano e – importante – provocações. Com ruptura da ordem vigente, queremos dizer golpe ou revolução.

 

Enfrentamos a pandemia da Covid-19 que nos cobra mais de duas mil vidas por dia. Abastecemos nossos veículos com gasolina e óleo diesel majorados por seis vezes consecutivas a partir de 1º de janeiro. As forças políticas se radicalizam entre esquerda e direita com provocações que ensejam nova subida do tom. E a dívida interna alcança o assustador patamar de R$5 trilhões de reais. Para ser possível a concessão de um pífio auxílio emergencial aos necessitados brasileiros, o Congresso Nacional acaba de aprovar o congelamento dos vencimentos dos assalariados públicos por três anos.

 

A temperatura da política no Brasil subiu alguns perigosos graus com a anulação das condenações do ex-presidente Luís Inácio da Silva em decisão monocrática de um ministro do Supremo Tribunal Federal. Trata-se da anulação de condenações confirmadas em segunda instância e ratificadas pelo Superior Tribunal de Justiça.

 

Os analistas se referem às disputas internas no STF como disputas ideológicas, cabos de guerra, inchaço de ego, ou mesmo querelas pessoais. Ministros de fala vaidosa, expositores de longas teses perante as câmeras, gestos ensaiados e vaidade inchada, certamente não corroboram a manutenção da credibilidade da Corte Suprema. Seria mais ou menos se estivéssemos nós outros a expor – perigosamente, vale repetir – a nossa vidinha caseira interna para todo o quarteirão.




 

As decisões fracionadas ou contestadas internamente, para todo mundo ver, fatalmente provocam reações. Imprensa e órgãos de representação se aproveitam da confusão e, no vazio estimado da legalidade institucional, começam a oferecer soluções. Em época de confusão política, senão institucional, todos procuram suprir ao Brasil um Poder Moderador – que o país não tem. E os militares entram no caudal da oferta.

 

Como no longo processo que desembocou no Movimento Militar de março de 1964, militares de alta patente começam a se manifestar. Decisões difíceis de o povo entender são o fermento para o crescimento do bolo da insatisfação.

 

E se o perigoso jogo de xadrez sair do controle das instituições, em outras palavras, se o egoísmo inerente do ser humano prevalecer nos titulares do poder, resultando na barafunda geral que ameaça tomar conta do Brasil, alguém terá certamente que tomar posição. Por repetidas vezes temos chamado a atenção que os militares não intervêm. Eles são convidados a intervir.







Na crise que se instalou com a decisão do ministro Edson Fachin, de Lula, um ex-presidente com base popular, e das instituições, o povo espera – e recomenda – cabeça fria. Seria mesmo questionável novamente submeter o ex-presidente, um ancião de 74 anos, a todo o vexame da instrução dos seus processos.

 

A outra opção é a intervenção, a recomendada pela Constituição ou, lamentável, outra qualquer advinda do grupo vencedor. O povo, cansado da atual pandemia e das propostas vazias dos últimos 33 anos, apenas contemplará. No Brasil desigual de milhões de desempregados, de milhões de subempregados e milhões de favelados, devedor de R$5 trilhões de reais, pagador de R$1bilhão de reais de juros por dia, o povo certamente só olhará.

 



Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

14 respostas

  1. O ministro Edson Fachin tentou salvar Sergio Moro da vergonha nacional, mas também deu com sua decisão seguimento ao devido processo legal, Moro é suspeito, e não é juiz de origem nesse caso em questão, e fez o gol de mão, a anulação não diz que Lula é inocente, apenas que o processo feito por Moro é viciado, e se seguiu em voto nas demais instâncias, dando um verniz de tudo ia bem na prisão do Lula(obs: O juiz de origem é quem aceita o processo e sua admissibilidade) no jargão juridico se chama “poço envenenado” se esse processo fosse adiante quem perderia de verdade seria todo o regime juridico construido na nossa jovem democracia as duras penas professor, gostem de Lula ou não.

    1. E fica a dúvida…Fachin foi Juiz da Lava Jato por quatro anos e só agora descobriu que Curitiba não tem competência? Ano eleitoral se aproximando.
      Tentativa de salvar quem mesmo?
      Mas que venha Lula para disputar com Bolsonaro.
      Bolsonaro melhor presidente. Eis a perseguição

  2. O brasileiro precisa acordar do sono profundo e deixar viver inerte aos políticos que querem viver nas regalias do estado, enquanto o povo tem que trabalhar por migalhas por toda vida. Temos que lutarmos por mudanças na política ou seja nas regalias que eles tem enquanto o povo migalhas.

  3. Devia estar mais preocupado com a falta de preparo do governo para combater a pandemia no Brasil. É mais urgente e importante para o povo.

  4. Tomara mesmo que os militares venham mais uma vez colocar ordem nesse Brasil. Foi um tempo que segundo os mais velhos (nossos pais e outros) falaram que existia respeito e ordem.
    Na verdade já enfrentamos pandemias (H1N1), dengue, Chikungunya…etc. aumento de gás, gasolina, diesel. Muito antes do governo atual. Muito antes.
    Só pesquisar e comparar cada ano e os aumentos de cada item. Vai ver que não tinha muita diferença. Era sempre absurdo comparado com o salário mínimo.
    Enfim. Eleição se aproxima e acho que o covid vai embora

      1. Desculpe, mas pesquise. Pesquise…
        Lula tinha a mídia ao seus pés, diferente de Bolsonaro que não paga pra falar o que ele quer. Por isso a perseguição ao presidente.
        Lula investia pra falar o que ele quisesse e assim o povo acreditar e mascarar os problemas como se estivesse tudo lindo. Mas logo os problemas chegaram ao extremo e ninguém aguento mais tanta corrupção

  5. Tomara mesmo que os militares venham mais uma vez colocar ordem nesse Brasil. Foi um tempo que segundo os mais velhos (nossos pais e outros) falaram que existia respeito e ordem.
    Infelizmente alguns políticos não respeitam a democracia e querem tomar o poder a força.
    Ja enfrentamos pandemias (H1N1), dengue, Chikungunya…etc. Aumento de gás, gasolina, diesel. Muito antes do governo atual.
    Só pesquisar e comparar cada ano e os aumentos de cada item. Vai ver que não tinha muita diferença. Era sempre um absurdo comparado com o salário mínimo.

    Enfim. Eleição se aproxima e acho que o covid vai embora

  6. Qual golpe mestre? O que deram em Dilma né!
    Fale um pouco dos aumentos dos combustíveis, alimentos, remédios, mansão que o filho de “Lula” comprou em Brasília…

    1. Dilma fez por onde, não é nenhuma inocente.
      Antes de tentar criticar “o” filho de Bolsonaro e não “os” filhos. Fale primeiramente dos filhos do Lula e do mentiroso do Lula. Lula jamais vai conseguir apagar o que fez de mal pra o Brasil. Por mais que tenha colocado ministro ao seu favor.
      O mal da esquerda é o esquecimento. Hoje temos uma ferramenta importante chamada internet onde lembra tudo do passado pra quem não tem memória.

  7. Quer dizer professor que a cabe a Lula ficar calado submisso a vontade de um JUIZ comprovadamente …., que acusou, quando seu papel era julgar, forjou documentos e sabe se lá o que mais, e que mesmo sem provas condenou o réu a 9 anos de prisão como se nove anos fossem nove dias? O povo já tá vendo ai esse governo militarizado, cheio de gente incompetente, ao menos para as funções que ocupam agora, coordenados por um ex-tenente que deveria estar preso por ato terrorista contra o próprio exercito ao qual servia, um TRAIDOR. Um falso nacionalista que bate continência pra bandeira alheia.
    Eu pergunto se não tem nas forças armadas homens honrados que não estejam envergonhados com esse papelão que faz o seu “Comandante em chefe”, se não tem gente nesse país que não se envergonha de ver alguém ser preso sem provas por 600 dias, e ao saber que tudo não passou de armação provada pelos áudios e textos da operação spoofing ainda ache que o condenado tem que pedir perdão. Que país de gente sem decência é esse que por ódio prefere aprovar condenações sem provas em processos nos quais um JUIZ …. repito, condena um candidato a presidente da república e depois vira ministro do seu oponente? Que destrói as maiores empresas do país e depois passa a trabalhar pra empresa que vai recuperá-las? Um Juiz …. que permitiu que participassem da armação países que tinham interesse direto na destruição das empreiteiras e principalmente na destruição da Petrobras. Esses militares que deem o golpe, a gente já sabe o que eles vão fazer lá.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.