Por

REDAÇÃO - PA4.COM.BR

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print




 

Quem escreve corre o risco de ser repetitivo ou de ser acusado de meter a colher onde não foi chamado. Como os romanos diziam que a repetição é a mãe dos estudos (aprendizagem), estamos livres da primeira acusação. Quanto à segunda – e como se trata de uma obra pública -, sempre devemos nos considerar chamados. O dinheiro para a execução certamente sai dos nossos bolsos.

Está anunciado o aumento de 33,33% na passagem dos ônibus urbanos de Paulo Afonso. De R$3,00, passará para R$4,00. O desgaste inflacionário, o aumento dos combustíveis, a concorrência dos outros meios de transporte, a manutenção da frota e a densidade de passageiros são fatores para o cálculo de planilha da empresa prestadora do serviço. Assim sendo, não vamos entrar na seara dos especialistas. Vamos nos ater ao óbvio, embora o óbvio não exista. Vamos considerar a capacidade de pagamento da tarifa pelo usuário pauloafonsino.

Cinquenta e dois por cento dos assalariados brasileiros ganham, no máximo, dois salários mínimos. Isto posto, desnecessário convidar o leitor para concluir que o nosso trabalhador que depende do transporte público, a maioria dos quais ganha apenas um salário, não tem condição de se deslocar pagando uma tarifa de R$4,00.

A nossa cidade é razoavelmente plana. Nossos [suaves] aclives e declives não merecem ser considerados ladeiras. Raramente temos aguaceiros, relâmpagos e trovões. Como consequência, um sistema de ciclovias se impõe. Os franceses já se deslocam de bicicleta. Pedalam até 15 quilômetros de ida e 15 de volta para o trabalho. A União Europeia planeja a implantação de um sistema de ciclovias interligando toda a Europa.

Os nossos operários do Tancredo Neves, como uns, também usam a bike para se deslocar. No caso deles, disputam a pista de uma rodovia estadual com carros, carretas e caminhões. Segundo uma contagem, são 5.000 bikes por dia entre o bairro e o centro urbano.

Pelo exposto, fica clara a prioridade para a construção de um sistema de ciclovias na nossa cidade. Como será? Os nossos arquitetos têm toda a capacidade de nos dar essa resposta.

Com todo o respeito e consideração ao nosso prefeito, e sem nenhuma pretensão de estar metendo a colher por meter a colher, ousaríamos lhe sugerir a colocação do sistema de ciclovias da cidade como a primeira prioridade do seu plano de governo. Seria uma maneira de ficar eternamente no coração dos pauloafonsinos; o corolário da sua vida política. Uma bela oportunidade de sair da prefeitura em 2024 e entrar triunfante para a História de Paulo Afonso.

Francisco Nery Júnior




 



Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Uma resposta

  1. Agilidade, economia de tempo, segurança, explosão de lojas de bicicleta, oficinas de bicicletas, arrecadação de impostos, lazer, menos poluição do ar, lazer para o povão, urbanização, estabelecimento de lanchonetes, venda de garrafinhas de água, aparecimento de todo tipo de bicicleta, competições ciclísticas…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.