Por

[email protected] (www.pa4.com.br)

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

Agentes da Polícia Rodoviária Federal (PRF), do Instituto Brasileiro de Meio Ambiente e Recursos Renováveis (IBAMA) e do Ministério Público da Bahia prenderam ontem (30/11), no bairro Vila Nobre, em Paulo Afonso, um homem de 57 anos que mantinha em cativeiro 18 animais silvestres sem autorização da autoridade competente. A ação fez parte da Fiscalização Preventiva Integrada (FPI), que ocorre na região do São Francisco desde o dia 20/11. Além do crime ambiental, foram encontradas 12 armas, petrechos para caça e armadilhas capazes de capturar mamíferos de grande porte.

 

15241917_1360300840661005_3217510196666319912_n

 

A operação de ontem foi desencadeada após os agentes da FPI receberem denúncias de que um suposto agente da Polícia Rodoviária Federal mantinha diversos animais silvestres em sua residência. PRF, IBAMA e MP/BA se dirigiram até o local para averiguar as informações. Ao chegarem ao local, encontraram os animais (patos selvagens, pássaros, seriemas); as armas (revólver, rifle, espingarda) dos calibres 38, 22, 36 e 12; farta munição; uma mira laser e uma telescópica; uma alçapão e duas armadilhas para grandes animais.

 

O homem era conhecido na cidade como “Federal”, uma alusão ao cargo de agente da PRF ou da PF. Até os seus funcionários acreditavam que ele fosse de fato servidor público aposentado. Porém, ao ser questionado pela fiscalização sobre a sua profissão, ele admitiu que jamais integrou os quadros das referidas instituições e que se aposentou como detetive particular de uma empresa privada.

 

Preso em flagrante pelos crimes ambientais e pelo crime de posse ilegal de arma de fogo, o indivíduo foi levado para a Delegacia de Polícia Civil de Paulo Afonso, onde foi arbitrada uma fiança de R$ 12.000,00. As medidas administrativas aplicadas pelo IBAMA somaram um valor de R$ 9.000,00.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

9 respostas

  1. Pois é não o identificam,deve se tratar de alguem que tenha muito dinheiro,pois se fosse um pobre lascado já tinham colocado a cara de primeira,a injustiça começa ai…sou moradora da vila nobre,e acredito que como moradora eu mais centenas de moradores precisamos saber quem é o mesmo,

  2. O mais interessante nessa matéria é a inexistência do nome ou foto do tal ai quando é um preto pobre da periferia que coitado as veses mata uma caça para alimentar família num instante aparece foto nome endereço e tudo aquilo que tem direito

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.