Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

Acompanhei Júnior Bezota – chefe de gabinete da prefeitura de Paulo Afonso, por alguns metros da porta da sua sala ao corredor da prefeitura, uma funcionária perguntou:

 

camara
Daniel à esquerda e Francisco à direita, disputam a presidência da Casa.

– Júnior, Luiz de Deus vem quando?

 

-Não sei. Respondeu secamente e seguiu. Antes conversei com Jânio Soares, secretário de Cultura e Eventos, bem como o vereador eleito Jean Roubert (PTB), e todos me dizem a mesma coisa: “Ninguém sabe as mudanças pelas quais o governo vai passar”. Dito de outra forma, os que estão hoje aqui podem amanhã não está.

 

Na Câmara, embora Marcondes Francisco (PSD) mal disfarce a alegria, e seu gabinete antes vazio passe a ter trânsito, contrastando com a postura de outros colegas, cujo semblante demonstra preocupação – e aqui não só em relação ao futuro presidente da Casa – nenhum vereador afirma até onde Luiz de Deus se envolverá no Legislativo e com quais nomes, a diferença para seu predecessor é muito grande, eis o ponto.

 

Se bem que mesmo quando era deputado, Luiz palpitava sobre nomes, como é do conhecimento de todos. Até a oposição que dizem será dura – à exceção de sempre, ainda não apareceu com essa característica.

 

Por óbvio que sua conduta discreta e silenciosa, com a transição em curso, abre margem para toda sorte de especulação. Já houve quem soltasse por aí que entre ele e seu irmão Paulo de Deus, as coisas podem está favoráveis. Interlocutores de Paulo querem ouvir falar no diabo, mas negam qualquer aproximação entre os irmãos. A fofoca se alimenta exatamente do silêncio reinante em ambos.

 

luiz-de-deus

 

Não existe corrente que aposte em Luiz ninando o campo do prefeito Anilton Bastos (PDT), mas exatamente o contrário, e isto certamente inviabiliza uma aproximação com Paulo de Deus. “Ele mudará muita coisa, secretários etc., mas a base do grupo permanece, e a indicação de Flávio Henrique como vice-prefeito é a garantia disso”, confessou um interlocutor de Anilton. Porém, enquanto a boca do prefeito eleito estiver fechada, é melhor não apostar nisso também.

 

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

2 respostas

  1. A derrota se dá exclusivamente pela incompetência e prepotência dos que achavam que a vitoria estava garantida!
    Erros absurdos foram cometidos !
    Dando assim a oportunidade que eles queriam , de uma vez que estavam com a maquina na mão para o fazer o …que foi!!!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.