Por

BOCÃO NEWS

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print




 

O policial militar que apresentou surtos psicóticos e disparou tiros para cima na tarde deste domingo (28), na região do Farol da Barra, em Salvador, morreu no Hospital Geral do Estado (HGE). A informação foi confirmada pela Secretaria de Segurança Pública da Bahia (SSP-BA).

 

O PM, identificado como Wesley Soares Góes, era noivo e trabalhava na 72ª CIPM havia pelo menos quatro anos. Ele foi baleado após 3h30 de negociação com equipes do Batalhão de Operações Policiais Especiais (BOPE), no início da noite.

 

Wesley Góes foi socorrido por uma equipe do Serviço de Atendimento Médico de Urgência (Samu) e levado para o Hospital Geral do Estado (HGE). Segundo o major da 72ª CIPM, Hosannah Santos Rocha, o soldado chegou a ficar intubado, mas não resistiu.

 

A família informou que Wesley Góes nunca tinha apresentado surtos. Durante a situação, ele estava com o rosto pintado de verde e amarelo.

 

Conforme a Secretaria de Segurança Pública (SSP-BA), o policial foi baleado após disparar com fuzil contra guarnições do Batalhão de Operações Policiais Especiais e terminou neutralizado.

 

Após o PM ser baleado, jornalistas foram alvos de tiros de borracha após tentativas dos policiais de afastarem os profissionais da imprensa do local.

 

Policial militar que ‘surtou’ e disparou tiros para cima na região do Farol da Barra, em Salvador era lotado na 72ª CIPM — Foto: Reprodução / Redes Sociais

Em nota, o Sinjorba afirmou que “condena veementemente o comportamento dos policiais envolvidos neste lamentável episódio”. A instituição também contou que “não havia qualquer necessidade de agir daquela maneira pois os jornalistas estavam trabalhando e não representavam qualquer ameaça aos PMs ou à operação”.

 

Equipes da Superintendência de Trânsito do Salvador (Transalvador) desviaram o trânsito no Farol da Barra para a Rua Barão de Itapuã.

 

Confira a ordem cronológica dos fatos:

 

14h: A ocorrência iniciou quando o militar chegou armado com fuzil e pistola, na Barra. Imediatamente ele iniciou disparos de fuzil para o alto. Ele foi cercado por unidades policiais do CPR Atlântico e especializadas, que isolaram o local;

 

15h: de acordo com a SSP, uma equipe do Bope iniciou a negociação. O soldado alternava momentos de lucidez com acessos de raiva, acompanhados de disparos. De acordo com o órgão de segurança pública, além dos tiros de fuzil, o soldado arremessou grades, isopores e bicicletas, no mar;

 

Policial militar que ‘surtou’ e disparou tiros para cima na região do Farol da Barra, em Salvador era lotado na 72ª CIPM — Foto: Reprodução / Redes Sociais

18h35: O soldado teria falado que havia chegado o momento, fez uma contagem regressiva e iniciou os disparos contra as equipes do Bope. Após pelo menos 10 tiros, o soldado foi neutralizado e socorrido para o Hospital Geral do Estado (HGE);

 

Depois das 18h40: Jornalistas tentaram se aproximar do policial e foram afastados com balas de borracha;

 

23h: A Secretaria de Segurança Pública da Bahia confirma a morte de Welsey Góes no hospital.

 










Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

10 respostas

  1. Acho que estes policiais que agiram esta ação não estão preparados pra este tipo de ocorrência, tivessem atirado nós braços do militar em surto e não pra matar! 0000000000

  2. Com bandidos tem ordem pra negociar horas e horas. Por um acaso ele feriu algum colega antes de atirarem nele?
    Não estou generalizando porque graças a Deus a maioria dos PMs são ótimos profissionais. Graças a Deus.

  3. Gostaria de saber, porque a negociação com bandidos dura dias e com um cidadão de bem resolve se a bala , policia é para defender o cidadão e não assassinar cidadão , será que vamos ver a policia começar a matar os cidadão? que impressa suja da nojo de ver, será que não ouviram o que o policial falo ou não importa?

  4. Mataram o rapaz porque ele não aceitava ordem para prender trabalhador. Parabens governador genocida.A PM criem vergonha na cara não aceitem ordem desse ditador do PT. Hoje foi o wesley amanha pode ser você.

    1. Se fosse a disgrassa do teu presidente fechando tudo, aí vc iria dizer que o policial tava errado em não querer obedecer o presidente, fico só olhando as hipocresias, bando de hipocratas, eu não sou PT nem Bolsonaro, mas nessa parte aí deveria o presidente ter apoiado esse tipo de isolamento era no começo não agora, agora só acho que e tarde, e pelo oq o povo quer eu abria era tudo deixava até ter festa, se o povo quer morre deixa a disgrassa desse povo morre msm, vai morrer de todo jeito ou doente ou de fome , pq a mísera desse presidente não pode arca com mas alguns meses de auxílio e outra no adianta da auxílio e deixa o povo ir pra rua, era pra ter dado o auxílio e ter doutrinada a população pra respeita o isolamento, mas a merda desse presidente burro jumento não fez nada no início tava falando que era gripizinha, a gripizinha que matou já mas de 300.000 agora vem dizer que a merda desse presidente não tem culpa, genocida safado e filha da puta todos eles.

  5. A polícia baiana deveria criar vergonha, matar um cidadão doente, porque não aplicaram uma daquelas injeções que aplicam em animais violentos, hoje tenho vergonha de dizer que sou baiano.

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.