Por

ASSESSORIA

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Vereadora Evinha Oliveira. Foto: Assessoria Parlamentar



 

A vereadora Evinha Oliveira (Solidariedade), líder da bancada de oposição, questionou mais cedo, durante a sessão ordinária da Câmara Municipal desta segunda-feira (03), a falta de clareza da prefeitura com um tema tão importante para a população como a gestão do Hospital Nair Alves de Souza.

A parlamentar explicou que o fato de o projeto [sobre a Organização Social] agora obedecer ao trâmite devido no Parlamento, sendo baixado nas comissões, propicia o tempo necessário para conhecer bem como vai funcionar essa gestão que, segundo o líder da bancada de situação, Alexandre Leco (PSD) explicou na mesma sessão, é transitória, até o Hospital ter as condições exigidas para se tornar uma unidade federal.

“Se for o caso que venha alguém da prefeitura para nos explicar. O que acontece é que nos mandam o projeto e querem aprovação imediata sem os detalhes. Venham, sentem conosco, nos explique, tragam dados, porque há contrapartida do município e uma pergunta que fica no ar é como vai ser isso?, como gastamos 3 milhões e vamos passar a gastar 800 mil?, o que vai ser tirado?, o que será acrescentado?”

O aumento da tarifa de ônibus de 33% prejudicou mais ainda as mulheres. “Como bem lembrou o colega Keko, se uma faxineira vem ao centro para trabalhar, vai gastar 8 reais só com a passagem, dos 40 ou 50 reais que ela vai receber pela faxina. O aumento precisa ser gradativo e explicado, teve reunião entre a Secretaria de Administração e a empresa Atlântico e ninguém falou sobre aumento. ”

A bancada de oposição liderada por ela entrou com uma ação popular na Justiça para barrar o aumento. “Nós tínhamos que agir rápido, mas não é uma ação exclusiva nossa. Desde o início do mandato, como eu disse, quero ser propositiva, procuro os colegas, mas nesse caso não podíamos esperar.”

Evinha lembrou ainda que a construção de uma ciclovia que aparece no orçamento e durante as campanhas eleitorais, seria a melhor alternativa. “Infelizmente a ciclovia só aparece na campanha, e quando nos vemos diante de um aumento abusivo como esse, lembramos que existem alternativas. A administração deveria olhar para diversos pontos: a saúde, trabalho, a mobilidade, transporte e acessibilidade e não deixar nas costas da população para que ela se resolva.”







Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.