26 de setembro de 2021

CRÔNICA – O casal de carroceiros que me fez sentir pequeno (Francisco Nery Júnior)

Por

Redação (pa4.com.br)

 

Google – (imagem meramente ilustrativa)

 

Um casal de idosos! Descendo do Juá, personagens perfeitos e prontos para um romance regional, em carroça de burro alcançaram o BNH. O burro atrelado em perfeito estado de trato. Em cima do estrado, a fiel cadela a simbolizar a fidelidade de quem é fiel sem obrigação; e sem pressão. Ela se sentia, entronizada na carruagem imaginária, a Cinderela dos Sertões. Pelo menos a mim me parecia. Interessante que ela não se arrastava, cansada e empoeirada, ofegante, língua estirada para fora, atrás da carroça como costuma acontecer. Vinha bem acomodada, no alto e na melhor; acomodada pelos dois verdadeiros pais que a adotaram e ali estavam para amealhar o que quer que fosse para a sobrevivência dos três.

Pararam em frente a uma casa e pediram café. Não tiveram sucesso. Prosseguiram para outra e, outra vez, por qualquer razão irrelevante que não vem ao caso, nada aconteceu. Foram em frente. E pararam na minha calçada. Era cedo de manhã e eu ainda estava com as roupas de dormir. Por alguns minutos, tinha estado observando a aproximação dos dois como no Bolero de Ravel (vídeo abaixo). Simples, pobres e maltratados da sorte, transmitiam uma harmonia e uma cumplicidade real.

Desta vez, comigo tentaram a sorte. E tiveram sucesso. Não por mérito meu, mas pela imposição do exemplo que a todos nós nos davam. Se só um prato do desjejum, do café da manhã, ou do breakfast para os internacionais; se só um prato existisse, entre nós três teria sido dividido.

De repente, um novo convidado apareceu. Era a cadela enjeitada da nossa rua que, useira e vezeira, se imiscuía. Para minha surpresa, a idosa senhora se valeu da sacola ao lado, retirou um bom pedaço de salame que algum bom samaritano lhe tinha antecipado e começou a dispará-lo em pedaços menores subsequentes para a cadela. Imagino que ela, com a sua fé de pequenina, estava certa que, amanhã, o seu salame de cada dia estaria assegurado.

Ainda os consultei se me ajudariam a me livrar de uma pequena lata de lixo por dez reais. A resposta foi positiva. Pechinchei por um desconto de cinquenta centavos numa tentativa sadia de quebrar o possível gelo da situação. O marido um pouco mais adiante, barriga abastecida e copo esvaziado, ela, desconfiada, mas já segura da situação, cabreiramente concordou.

Com dez reais no bisaco – o pedido de desconto foi apenas um chiste –, café da manhã realizado, picada de fumo e baforada de cigarro de palha garantidas, tocaram a burra e dobraram a esquina.

Pequeno já era e pequeno permaneci. Mais pequeno ainda do que sabia ser.

Francisco Nery Júnior

(Vídeo) Wiener Philharmoniker – Maurice Ravel – Bolero – Regente Gustavo Dudamel

 

 

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Comentários 7

  1. Anônimo says:

    Bom dia aos leitores desse Espaço!

    Muito linda essa crônica e, nos remete a rever nossos valores principalmente nos tempos atuais!

    Obrigada professo Nery!

  2. Lucineide Moura says:

    Linda história, o simples que emociona! a capacidade de um simples gesto que pode nos transformar em grandes seres humanos.!* Mais coraçao, mais humildade, mais amor * !

  3. Do autor says:

    Sugestão: vale a pena ouvir o Bolero de Ravel. Caravana de camelos se aproximando, arrastando desordem e pobreza, passando e desaparecendo caminho afora. Lindo de morrer.; Acesso fácil digitando no Google. Quem sabe o site facilita a vida do leitor colocando como apêndice da matéria, como sabiamente costuma fazer; como soe acontecer?

  4. O autor says:

    Parabéns ao site pela cumplicidade responsável de quem sabe da obrigação e do direito de educar a comunidade que, por sua vez, nos educa também.

  5. Aldson Miná says:

    Não precisa dizer nada. Palavras simples não descrevem com propriedade o fato transbordante de compaixão (por humanos e animais). É ler, assimilar o ensinamento, meditar sobre os verdadeiros valores….

  6. Liliana says:

    Gostei da crônica, professor Nery!
    Existem pessoas que são incríveis e independe de classe social.

  7. Leitor says:

    Clicando no Google “Coreografia Bolero de Ravel”, um banquete para quem banquetes aprecia.

Deixe um comentário

O seu endereço de e-mail não será publicado.

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!

WhatsApp

Conteúdo 100% exclusivo e em primeira mão, que você só vê no PA4!