Por

[email protected] (www.pa4.com.br)

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print
Foto: Ashley Melo / JC Imagem
Foto: Ashley Melo / JC Imagem

 

A Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf) começou a distribuir convites para a solenidade de transmissão de cargo do Diretor-Presidente da Empresa, Sinval Zaidan Gama, nesta sexta-feira, dia 13 de janeiro de 2017, às 17 horas, no auditório do Edifício André Falcão, em San Martin, no Recife.

 

O evento contará com a presença do Ministro de Estado de Minas e Energia, Fernando Coelho Filho.

 

O engenheiro pernambucano José Carlos de Miranda Farias assumiu como novo presidente da Companhia Hidro Elétrica do São Francisco (Chesf), a maior empresa do Nordeste, em junho de 2016, antes do impeachment de Dilma Rousseff, portanto.

 

Miranda foi diretor da EPE – Empresa de Pesquisas Energéticas, nos governos Lula e Dilma.
No final do governo Dilma, foi indicado presidente da Chesf, com quem tem ligação pessoal.
Sinval também é oriundo da Chesf, ligado ao grupo de José Antônio que, por sua vez, é ligado ao ex-presidente José Sarney.

 

“Nada a estranhar que, com o golpe acontecido, houvesse uma alteração dessa presidência. Já se comentava em pequenos círculos”, afirma fonte do Blog de Jamildo.

 
Entre técnicos do setor, o que se fala é que a escolha de Miranda foi pessoal da presidente Dilma Rousseff. Nos bastidores, havia rumores de que o PMDB estava querendo a presidência da estatal.

 

No governo Lula, quando a presidente Dilma Rousseff (PT) ainda era ministra de Minas e Energia, criou um grupo com representantes das empresas do Sistema Eletrobras. Nele, Miranda representava a Chesf. Esse grupo teve uma atuação importante na criação da Medida Provisória 10.144 de 2003, que depois se transformou na Lei Federal nº 10.848 de 2004, que criou novas regras para a comercialização de energia no País, tirou as estatais de energia do plano de privatização do governo federal e criou a EPE para ser o órgão da União com atribuição de planejar o setor elétrico.

 

Em 2005, Miranda havia assumido a diretoria de Estudos de Energia Elétrica da EPE, ficando na diretoria da estatal quando foi então nomeado presidente da Chesf.

 
Até antes de Eduardo Campos brigar com Dilma, a presidência da Chesf era uma indicação do partido de Eduardo Campos, o PSB. Como em 2014, Eduardo deixou a base aliada do governo, a presidência foi ocupada pelo engenheiro Antonio Varejão, numa indicação do Partido Progressista (PP). Tanto Varejão como Miranda são funcionários de carreira da Chesf.

 

No caso de Miranda, a mudança ocorreu um ano e dois meses depois da posse do presidente anterior, Antonio Varejão de Godoy, que passou a ocupar a poderosa diretoria de Engenharia e Construção, responsável pelas obras da empresa que são investimentos altos. Desde que o PT assumiu a presidência da República, a diretoria de engenharia da estatal foi ocupada pelo também engenheiro José Ailton de Lima, que era então o novo diretor de Operações da empresa. (Com informações do Blog do Jamildo)

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.