Bahia ultrapassa marca de 8 mil mortes pela covid-19

Boletim aponta 24 óbitos e 2.071 novas infecções em 24h

Por REDAÇÃO - PA4.COM.BR COM CORREIO DA BAHIA | 18 de novembro de 2020 às 20:30

(Foto: Nara Gentil/Arquivo CORREIO)



 

 

A Bahia registrou 24 novas mortes pela covid-19 e ultrapassou a marca de 8 mil óbitos pela doença, de acordo com boletim epidemiológico divulgado pela Secretaria da Saúde do Estado (Sesab) no final da tarde desta quarta-feira (18). São 2.071 novas infecções (taxa de crescimento de +0,6%) e 1.423 pessoas recuperadas (+0,4%) no mesmo período.

 

O número total de óbitos por covid-19 na Bahia desde o início da pandemia é de 8.013, representando uma letalidade de 2,12%.

 

Dos 377.445 casos confirmados desde o início da pandemia, 362.017 já são considerados recuperados e 7.415 encontram-se ativos.

 

Para fins estatísticos, a vigilância epidemiológica estadual considera um paciente recuperado após 14 dias do início dos sintomas da Covid-19. Já os casos ativos são resultado do seguinte cálculo: número de casos totais, menos os óbitos, menos os recuperados. Os cálculos são realizados de modo automático.

 

Os casos confirmados ocorreram em 417 municípios baianos, com maior proporção em Salvador (25,33%). Os municípios com os maiores coeficientes de incidência por 100.000 habitantes foram: Ibirataia (9.019,07), Itabuna (6.756,31), Madre de Deus (6.741,57), Almadina (6.698,39), Aiquara (6.590,19).

 

O boletim epidemiológico contabiliza ainda 775.117 casos descartados e 91.757 em investigação. Estes dados representam notificações oficiais compiladas pelo Centro de Informações Estratégicas em Vigilância em Saúde da Bahia (Cievs-BA), em conjunto com os Cievs municipais e as bases de dados do Ministério da Saúde até as 17 horas desta quarta-feira (18).

 

Na Bahia, 30.255 profissionais da saúde foram confirmados para Covid-19.

 

Óbitos
O boletim epidemiológico de hoje contabiliza 24 óbitos que ocorreram em diversas datas, conforme tabela abaixo. A existência de registros tardios e/ou acúmulo de casos deve-se a sobrecarga das equipes de investigação, pois há doenças de notificação compulsória para além da Covid-19.

 

Outro motivo é o aprofundamento das investigações epidemiológicas por parte das vigilâncias municipais e estadual a fim de evitar distorções ou equívocos, como desconsiderar a causa do óbito um traumatismo craniano ou um câncer em estágio terminal, ainda que a pessoa esteja infectada pelo coronavírus.

 

Perfis
Dentre os óbitos, 56,18% ocorreram no sexo masculino e 43,82% no sexo feminino. Em relação ao quesito raça e cor, 54,55% corresponderam a parda, seguidos por branca com 18,11%, preta com 14,86%, amarela com 0,74%, indígena com 0,10% e não há informação em 11,64% dos óbitos. O percentual de casos com comorbidade foi de 71,82%, com maior percentual de doenças cardíacas e crônicas (74,32%).




 



5 comentários em “Bahia ultrapassa marca de 8 mil mortes pela covid-19”

  1. Começou de novo foi ?
    Durante o período de campanha ninguém morria.
    Agora vai querer um bilhão do governo federal .
    Seria bom que Bolsonaro não liberasse mais porra nenhuma até mesmo para o povo deixar de ser safado e estar em tudo quanto é lugar tomando cachaça e achando que não existe vírus.
    O povo é o pior culpado disso tudo acontecer .

  2. HUMM!
    QUANTOS MORRERAM DE ACIDENTE DE TRANSITO?
    QUANTOS MORRERAM DE DST?
    QUANTOS MORRERAM DE SUICÍDIO?
    QUANTOS MORRERAM DE TUBERCULOSES?
    QUANTOS MORRERAM DE DIARREIA?
    QUANTOS MORRERAM DE GRIPE?
    E ENTRE OUTRAS COMORBIDADES…AGORA VAMOS TOCAR O TERROR NA POPULAÇÃO DESINFORMADA DA REALIDADE…

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.

  • Telefone: 75 3281.9421
  • E-Mail: comercial@pa4.com.br
© 2015-2016. Todos os direitos reservados.