Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

Há 33 anos rodando pelo Ciepa, para conseguir mudança de carga horária, tive que me submeter a novo concurso público. São quatro anos e meio desde o pedido de alteração com declaração favorável da minha diretora e de outra diretora de outro colégio. O objetivo era ver se o salário passava um pouco mais de mil reais, montante sobre o qual recai o imposto de renda. Dá para o leitor acreditar que tudo isto é verdade? Já fui aprovado em três concursos anteriores e acabei de ser aprovado no concurso de certificação quatro meses atrás. Em dezembro, recebi o diploma do programa compreensivo Gestar II.
 
Dia e hora marcados, dirigi-me ao Carlina para a realização das provas. Já perto, tentei virar à esquerda para estacionar o carro e não vi um motoqueiro apressado que esbarrou na minha porta esquerda. Caiu, acidentou-se sem maiores consequências, ficou meu amigo e eu fiquei com um prejuízo de mais de dois mil reais. Foi nesse clima e nesse estado que entrei no Carlina para – permita-me o leitor dizer – humilhado, responder ao calvário sádico das perguntas sem fim.
 
Como o resultado me foi favorável, vão publicados os três textos gestados na agonia na intenção de contribuir para os colegas do próximo concurso. Versam sobre avaliação, diversidade sociocultural e computadores.
 
Inicialmente, a avaliação deve ser percebida como um direito e não um dever do aluno. Sob esse  enfoque, o aluno se descontrai e deixa de lado o medo de ser avaliado por um processo coercitivo. Outro fator primordial a ser considerado é que a avaliação deve se prestar a correção de rumos principalmente na área curricular e nas práticas pedagógicas. Como avaliação não é simplesmente “medir” mas sondar e avaliar, os aspectos qualitativos devem, sem dúvida nenhuma, prevalecer no processo contínuo do desempenho  do aluno. Fundamental a consciência pelos agentes do processo que o conhecimento adquirido conduz ao saber que capacita o educando a produzir, tomar decisões, ser social e exercer plenamente a cidadania.
 
As pessoas são diferentes, isto é, são únicas como indivíduos. Isto se reflete no uso de termos e expressões linguísticas como meio de comunicação. Relacionamento pessoal pressupõe, assim, respeito mútuo. Um indivíduo educado é aquele que respeita e considera a maneira como o outro expressa sua visão ou representação da realidade. No processo pedagógico, em vista do exposto, as práticas construtivas devem necessariamente contemplar as diversidades sociais e culturais. O professor deve, desta forma, erigir como prioridade, na busca das práticas cotidianas, sondar e conhecer as diversidades dos indivíduos/educandos.
 
Computers are, no doubt, very important tools in the teaching/learning process of a foreign language. On top of offering a varied amount of texts and information, they provide the very sites or location where to find concepts and definitions for the language students. Besides, through computers, the student is able to keep in touch with foreign speakers. This fellowship is of the utmost importance for acquiring structures and fluency.
 
Tchau, pessoal. Se houve vitória, vai ela dedicada aos nobres e valentes colegas de magistério… e à maioria silenciosa de Paulo Afonso e arredores.
 
 
Francisco Nery Júnior 

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.