Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

Entrevista do Ministro das Cidades concedida ao jornalista Epidauro Pamplona, pseudônimo de Carlos Mecânico.


E.P.: Ministro, a maioria absoluta dos pauloafonsinos está orgulhosa de tê-lo como ministro de Estado do governo Dilma e, apesar de recentemente nomeado, Vossa Excelência já atua em uma das maiores tragédias nacionais que atingiu o sudeste brasileiro. Quais as ações do governo federal e do ministério das cidades para minimizar o sofrimento de nossos irmãos sulistas?


Ministro: Em parceria com o governo do estado do Rio, foi autorizada a construção imediata de 8 mil casas, a reconstrução das estradas e pontes pelo exercito brasileiro e o financiamento do BNDES  para reestruturar o comércio, que praticamente desapareceu, bem como a industria de moda íntima, que sempre foi a maior do país. Além disso, foi liberado um crédito imediato do Banco do Brasil de 60 milhões de reais para o agronegócio, que se encontra totalmente dilacerado.  Estamos fazendo todo o possível para amenizar o sofrimento dos familiares dos 856 mortos e 518 desaparecidos. Com certeza vamos reestruturar as cidades de Petrópolis, Teresópolis, Sumidouro , Nova Friburgo e outras cidades da região afetada.


E.P: Ministro, como Vossa Excelência analisa esta sucessão de recursos públicos que estão disponíveis por Vossa Senhoria para a cidade de Glória?


Ministro: Em atendimento às reivindicações da prefeita, já é realidade, hoje, uma melhoria na saúde pública, no setor social e na urbanização, com a valorização do metro quadrado da cidade que teve um aumento significativo de preço. Também houve o incentivo do comércio local, outrora inexpressivo. Sinto-me bem ao entregarmos máquinas de terraplanagem, ambulâncias, caçambas e viaturas para a segurança pública.


E.P: Ministro, Paulo Afonso, apesar de ter uma receita mensal de 14 milhões de reais, apresenta um quadro degradante, com a saúde pública “na UTI”, falta de empregos, falta de segurança ostensiva e falta de apoio da CHESF, cujo patrimônio físico encontra-se abandonado, afastando o turismo da região. O que o nobre ministro poderá fazer para minimizar esta situação, apesar de ter um prefeito adversário político cujo grupo já rejeitou vários recursos oferecidos para o município por Vossa Excelência?


Ministro: O ministério das Cidades está aberto a todos os projetos do prefeito Anilton Bastos que beneficiem o povo de Paulo Afonso. Se ele não vier me procurar, eu o procurarei.  Quanto a CHESF, já intermediamos o diálogo entre diretoria da empresa e a câmara de vereadores para que as reivindicações desta sejam ouvidas, a saber: a urbanização dos terrenos baldios da empresa, como o Sal Torrado II, a abertura programada das comportas, o enchimento dos lagos, a reativação do bondinho, como também a participação da CHESF na implantação da UTI pelo governo do Estado. Meu sonho é que Paulo Afonso seja referência para todas as cidades do Brasil em educação, saúde, emprego e renda.


E.P: Ministro, a população e a impressa cobram constantemente a reforma da rodoviária e a conclusão das pontes do Rio de Sal e da Malhada Grande. O que Vossa Excelência tem a dizer sobre esse impasse?


Ministro: Professor, a lei eleitoral brasileira é muito rígida, e como vossa senhoria sabe, 3 meses antes e 3 meses depois das eleições nenhuma obra poderá ser executada.  Mas isso tudo é uma questão de tempo, e tenho certeza que o deputado Mário Negromonte Junior estará interagindo com o governo da Bahia para que as obras sejam concluídas.


E.P: Excelência, agora a pergunta que não quer calar: Já está praticamente estabelecida a “polarização” das candidaturas de Anilton Bastos e Paulo de Deus para a prefeitura de Paulo Afonso, um filme já visto pelos eleitores paulafonsinos.  O partido progressista vai ter candidato próprio? Qual o critério de escolha da chapa majoritária? 


Ministro: Claro, vamos ter candidato próprio, haja vista que estamos bem mais fortes. Temos governadores eleitos, centenas de vereadores, um número expressivo de deputados federais e estaduais e mais de um milhão de filiados. Possivelmente, faremos coligações com outros partidos e o critério de escolha caberá ao povo, através de uma pesquisa séria, idônea que indicará o futuro candidato.


E.P: Ministro, o site Ozildo Alves e o programa Tribuna do Povo da Rádio Betel estão abertos para suas considerações finais.


Ministro: Quero agradecer sobremaneira ao povo de Glória e Paulo Afonso pela expressiva votação dada a mim e ao meu filho, Mário Júnior , e só sou ministro hoje graças a Paulo Afonso, onde finquei minhas raízes, conheci minha esposa Ena Vilma, tive meus filhos e fui bem sucedido nas minhas carreiras empresarial e política.Muito obrigado; de coração!!!



 

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.