Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print



Por Wadson Correa (cadaminuto.com.br)


Depois de receber várias denúncias de que uma quadrilha, formada por policiais e o irmão de um político, tem deixado parentes de vítimas assassinadas com medo de morrer, no Sertão de Alagoas, o Cadaminuto foi até Delmiro Gouveia e após três dias de apuração, descobriu que famílias inteiras têm vivido sob o signo do medo e que algumas delas chegaram a ir embora, sem informar endereço, após ameaças.


Outros familiares perderam empregos para viver trancados dentro de casa. É o caso de Vera Vicente, esposa de um mototaxista executado em setembro deste ano, em Delmiro Gouveia. Na lista da execução, estão pessoas influentes, entre elas, policiais militares e advogados.


Famílias denunciam que o principal suspeito, Robério Sátyro dos Santos, o “Robério do Fórum”, estaria sendo “acobertado” pela juíza Rachel Davi Torres de Oliveira, responsável pela Comarca de Delmiro Gouveia.


Este seria o motivo de Robério permanecer em liberdade. Em outra reportagem, publicada no CadaMinuto, a juíza negou ter algum tipo de ligação com Robério.


Com medo de morrer devido as constantes ameaças, o vigilante Antônio Mário Cavalcante, 44 anos, resolveu abrir o jogo e apontar Robério do Fórum, em vários homicídios, na região do Sertão dos estados da Bahia e Alagoas.


Todos os crimes, supostamente articulados por Robério, eram planejados, no escritório do posto de combustíveis Mandacaru, localizado no bairro da Pedra Velha.


“Eu trabalhava como vigia do posto e observava toda movimentação deles. Foi depois disso que passei a receber ameaças de morte”, explicou Antônio que complementou ainda que dois pistoleiros da quadrilha trabalhavam como segurança do posto. Gilson Negão e uma pessoa identificada por André.


De acordo com Antônio Mário, pelo menos oito execuções têm a participação de Robério, Gilson Negão, André e o irmão conhecido por Maciel, todos foragidos da justiça. Policiais informaram que o mesmo grupo tem ligação com roubo a ônibus, nas rodovias estaduais e federais da região.


Homicídios ocorridos em Delmiro


O primeiro homicídio foi praticado contra “Rodrigo vendedor de Joias”, no ano de 2005, na Rua Rio Branco, no Centro. Antônio detalhou que a vítima era funcionário do filho da juíza Rachel Torres, o Sérgio Torres.


Em 2006 foi executado ao lado do Mercado Público, no bairro Eldorado, uma pessoa identificada por, “Popó”, ex-funcionário da Casal.


2007 – O filho de Zé Costa, o Cabeludo é morto, ao lado do quiosque, Centro. “Esse crime foi presenciado por José Requebra, irmão do Guarda Municipal, Lalá”, falou Antônio.


Ainda no mesmo ano, José Requebra é assassinado como “queima de arquivo” para não desvendar o crime do Cabeludo. Em 23 de julho de 2008, José das Malhadas morre numa emboscada, quando seguia do povoado para o fórum, onde trabalhava com Robério.


2009 – O Guarda Municipal José Carlos Neves, o “Lalá” é morto quando estava a serviço. Lalá era amigo do Robério e tinha envolvimentos com tráfico de drogas.


Em 2010, um duplo homicídio é registrado contra mototaxistas em frente ao hospital Antenor Serpa. Genivaldo Vicente Pereira, o “Dodô” e José Bezerra de Queiroz, o “Cabeça”. “Esse crime aconteceu porque os dois descobriram que o assassino do Lalá tinha sido o Robério do Fórum”, contou Antônio Mário.


Enquanto entrevistamos, Antônio, a irmã, Maria de Fátima rezava o terço ouvindo os relatos.


Perguntamos a Maria se tinha medo que algo de ruim pudesse acontecer contra o irmão. “Tenho medo toda hora, minha arma se chama o terço para pedir ajuda para ele”, disse.


“Queremos justiça, eu posso morrer a qualquer momento e nada é feito. Os criminosos soltos para cima e para baixo aqui na região. Quero ajuda da 17° Vara Criminal de Maceió e peço ainda que a Corregedoria do Tribunal de Justiça investigue a juíza Rachel Torres. Ela pode pedir minha prisão, mais eu quero justiça”, concluiu Antônio.


O guarda municipal, Lalá informou a Antônio, 20 dias antes de morrer nomes de sete pessoas que podem ser mortas a qualquer momento. São eles: Cabo Victor, que trabalha no fórum de Mata Grande, Vera Vicente, Lucicréia Vicente, Advogado Raul, o ex-guarda municipal, Neulmar e o ex-policial militar Alberto, acusado de ter matado uma pessoa na cidade de Piaçabuçu.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.