Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

Poderia ser um enredo de um filme clássico: a já conhecida história de vida do jovem que teve uma infância difícil, sendo quase um sobrevivente do mundo injusto em que vivemos.


 


Mas não é enredo de filme nem história. É fato. É verdade. Aos 02 (dois) meses de idade o pequeno Dhony foi abandonado por seus pais para ser criado por uma vizinha.


 


O bairro era a vila moxotó e o ano, 1998. Omitiremos algumas informações deste triste passado vivido por este jovem para preservar, a pedido, os personagens envolvidos.


 


Superou todo o tipo de dificuldades. Abandono, medo, fome e muitas tristezas. Contraiu diversas doenças. Era sub-nutrido. Não possuía a diversão comum às crianças como passeio em família, diversão em parques ou circos ou simplesmente brincar com outros garotos.


 


Ficou à margem das drogas e das más companhias. Algumas vezes necessitava pedir comida para se alimentar.


 


Sua vida começou a vislumbrar novos horizontes quando em 2007 um projeto liderado pelo professor de artes marciais ‘Alves Li’ intitulado “Paz, Educação e Vida” chegou ao bairro.


 


Numa série de testes realizada pelo professor com mais de 20 crianças e 12 adultos, somente Dhony, à época, com apenas 09(nove) anos, obteve aprovação. Uma surpresa para todos. Na primeira semana de treinamento, o professor tem a certeza de que estava diante de um prodígio. Começava ali um momento mágico que incluiria quase que uma “adoção” por parte do professor Alves.


 


Moderadamente investe no garoto que passa a fortalecer seu corpo e a desenvolver técnicas especiais de kung Fu. “O pequeno Dhony, ao qual eu amo como um filho, parecia ser capaz de transformar o impossível em possibilidade. Em 06 (seis) meses, já havia terminado com êxito, o nível básico dos ensinos de Kung Fu.



 



 



A impressionante habilidade em manejar 20(vinte) armas do Kung Fu, o torna um possível concorrente a ingressar no “Guinness Book”, o livro dos recordes. “É um sonho possível” garante o pequeno Dhony.


 


Hoje, Dhony ainda enfrente dificuldades e perseguições para seguir com seus treinamentos, e, abre o coração em solicitar qualquer tipo de ajuda, seja financeira, ou mesmo uma bolsa de estudos (ele está aos 12 anos ingressando no 9º ano – antiga 8ª série na escola municipal Guiomar Pereira.) em alguma instituição particular de nossa cidade.


 


Dhony se apresentará nesta segunda feira, dia 20, à 18h no centro de cultura Lindinalva Cabral, em seu primeiro “show” de habilidades marciais. A entrada é 1 kg de alimento não perecível ou mesmo um brinquedo usado para doação à campanha “Natal sem fome” de nossa cidade.


 


Um belo exemplo de um adolescente com um talento tão especial, que ainda sonha com um futuro melhor para o seu próximo.


 

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

2 respostas

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.