Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

“Fiéis”, como são chamadas as mulheres oficiais, e as amantes dos traficantes do Rio de Janeiro ostentam jóias de ouro que valem até R$ 35 mil. São cordões com mais de meio quilo e medalhas do tamanho da palma de uma mão, algumas com as iniciais do nome do parceiro.


A opulência foi descoberta através de levantamento feito pela Polícia Civil, onde fotos postadas em redes sociais, como Orkut e Twitter, mostravam as mulheres se exibindo com os presentes.
 
As mulheres não foram identificadas, pois algumas são menores de idade e outras ainda estão sendo investigadas. Ainda de acordo com a polícia, há um mercado clandestino de produção de joias para traficantes, funcionando no antigo centro da cidade e em alguns bairros do Rio.


Na tabela dos “ourives do tráfico”, quando o “cliente” leva o ouro, provavelmente produto de roubo, um cordão pequeno pode custar de R$ 4 mil a R$ 15 mil. “Se tiver brilhantes ou zircônia (imitação de diamante), o preço sobe”, chegando a R$ 35 mil, contou um ourives em entrevista ao jornal Folha de São Paulo.


Segundo o presidente do Instituto Brasileiro de Gemas e Metais Preciosos (IBGM), Hécliton Santini Henriques, estima-se que o mercado clandestino de produção de joias movimente até R$ 1 bilhão por ano no Brasil, 40% do movimento do setor.


Para Ecio Salles, doutor em comunicação e cultura pela Escola de Comunicação da Universidade Federal do Rio de Janeiro (UFRJ), a inspiração para as joias vem dos gângsters e rappers norte-americanos: “O ouro simboliza poder, o fato de ter vindo de uma pobreza extrema e ter chegado num lugar de riqueza”, contou.


 



No Orkut, jovens mostravam orgulhosas os presentinhos que recebiam
 

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.