Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print




Dia 8 de dezembro, como faz todos os anos, a Rádio Cultura de Paulo Afonso AM e FM, abriu seus estúdios e microfones para receber o carinho dos pauloafonsinos, moradores da região e internautas com palavras e mensagens de afeto pelos 32 anos da emissora.

A criação de uma emissora de rádio em Paulo Afonso era sonho antigo de Antônio José Diniz, que trabalhava há anos no ramo de comércio e representação de revistas e livros na sua empresa chamada Distribuidora Sedução.


Para dar vida ao seu sonho Diniz visitou dezenas de emissoras de rádio na região. Ao todo foram 27. Em todas elas, diz o radialista, sempre foi muito bem recebido, “como na Rádio Gazeta de Alagoas, considerada na época uma referência em radiodifusão no Nordeste, quando tive oportunidade de conhecer os Collor de Melo, Fernando que veio a ser presidente da República, foi cassado e hoje retorna como Senador pelo Estado de Alagoas e seu irmão, Pedro Collor”.

“Mas foi na 27ª visita, feira à Rádio Juazeiro, quando conheci Osvaldo Benevides que praticamente nasceu a Rádio Cultura de Paulo Afonso”, diz Diniz. “Foi através de Benevides que conheci o Dr. Eric Schmidt Andrade, influente engenheiro eletrônico com livre trânsito no Ministério das Comunicações, dirigido na época pelo Ministro Euclides Quandt de Oliveira. Ele fazia projetos de radiodifusão e era muito respeitado na Ministério e no Dentel”.

Diniz afirma que Benevides, vendo sua determinação na busca de conseguir realizar esse sonho, lhe disse: “Você vai ser dono de uma emissora”.

“O projeto encaminhado ao Dr. Andrade nominava a emissora de Rádio Sedução, mesmo nome da distribuidora de livros e revistas, mas esse nome não foi aceito. Fiz então uma pesquisa popular e o nome sugerido pela maioria das pessoas ouvidas foi Rádio Cultura”, diz Antônio Diniz.

“Conseguir a realização do sonho ainda estava muito difícil, diz o radialista. A primeira grande barreira foi colocar Paulo Afonso no Plano Nacional de Radiodifusão, conseguido por Dr. Andrade. Depois, enfrentar a concorrência de um grupo formado por Dr. Hans Adelseck, conceituado engenheiro eletrônico da Chesf, Gerson Albuquerque (Campeão), Nilson Brandão e Antônio Bernardo, com o seu projeto da Rádio Tropical. Cheguei a desanimar”.



 




 


 


Emocionado, Diniz lembra de um telefonema que recebeu do Dr. Andrade. “Era um sábado, quase 11 horas da manhã, do mês de junho de 1977 e eu até estranhei porque o Dr. Andrade nunca ligava. Ele perguntou se eu estava de pé e que me sentasse e me deu a notícia: ‘Você é o mais novo radiodifusor do Brasil. Seu projeto foi aprovado e está no Diário Oficial’. “Foi um impacto emocionante. Vibrei muito. Lembro que reuni as pessoas mais próximas e corri para o Royal Drinks para uma comemoração. Paguei bebida pra todo mundo. Uma imensa alegria”.

Mas a concessão não era tudo. “Tinha a concessão na mão e nenhum dinheiro no bolso. E em dois anos a rádio tinha de estar no ar ou eu perdia a concessão. Comecei a negociar com as distribuidoras de revistas e com a Olivetti, da qual eu era representante na região e fui investindo em equipamentos.

“Formei uma equipe e começamos a visitar rádios na região para conhecer grade de programação, equipamentos, profissionais. Dentre as rádios visitadas estava a Rádio Novo Nordeste de Arapiraca, que nos deu grande apoio.”

“No final de outubro de 1978, menos de um ano de meio desde a concessão, a Rádio Cultura AM entrou no ar para um período de experiência”. Nesse dia, lembra Diniz, “colocamos para rodar a música Paulo Afonso, de Luiz Gonzaga e Zé Dantas, pelo menos 60 vezes, uma atrás da outra, para marcar mesmo este outro lindo hino de Paulo Afonso, a cidade e a Rádio Cultura, que chegava”.

“A primeira voz a entrar no ar foi a do locutor Djalma Nobre, que anunciava a chegada da Rádio Cultura. Nunca vou esquecer também de uma frase dita pelo saudoso Nicolson Machado Chaves, outro apaixonado por Paulo Afonso que disse: “Paulo Afonso agora tem voz”.

“Em 8 de dezembro de 1978 – Dia de Nossa Senhora da Conceição, a Rádio Cultura entrou no ar comercialmente, com as bênçãos do Bispo D. Jackson Berenguer Prado, primeiro bispo de Paulo Afonso”

Tempos depois da Rádio Cultura AM ganhou uma irmã, a Cultura FM e juntas formam a Rede Cultura de Paulo Afonso.



“O que me alegra é que a voz de Paulo Afonso ultrapassou fronteiras, invadiu outros Estados nordestinos e agora, com as Rádio Cultura AM e FM na internet, estamos em todo o universo, em todo o mundo”.



Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.