Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

p5

O título é de artigo publicado pelo professor Gadino. Está no Folha Sertaneja. Faço minhas as palavras de Galdino.

O que é isso de os dirigentes locais fecharem os ouvidos para as admoestações sensatas de quem sabe observar e sugerir? O que é isso de simplesmente desprezar colocações óbvias sobre o que só poderia trazer benefícios para Paulo Afonso e para a região? São auto-suficientes? Não precisam [mais] de nós? Não precisam de ninguém?

Estive algumas vezes em Piranhas. Pude observar que os responsáveis pelo turismo fazem o possível para atrair o visitante. Olhei bastante em volta, questionei e meditei. Verifiquei que os turistas que se interessavam por Paulo Afonso param em Piranhas ou do outro lado do Rio São Francisco – e de lá retornam para o litoral ou para as suas origens. Encontraram o rio, local de banho, história, hospedagem; encontraram a hidrelétrica – encontraram tudo. Não veem mais a necessidade de subir até Paulo Afonso.

Precisamos sentar, ouvir, meditar, e inovar. Há que haver algo diferente para que o turista se sinta motivado para alongar a sua viagem até aqui. Mesmo sem formação na área, salta aos nossos olhos que, se as possibilidades locais fossem exploradas, os visitantes estariam aqui. Temos história e temos os montes. Temos o raso e temos o cânion. Temos o acampamento Chesf com seus onze lagos artificiais e temos o fabuloso complexo de usinas, uma reciclando inteligentemente a água recebida da outra.

Ainda temos ligação asfáltica com a capital do estado e um aeroporto de qualidade. Os leitores já imaginaram um teleférico na Serra do Umbuzeiro, por exemplo? Imaginaram um sistema de ciclovias nada mirabolante para Glória, para os povoados próximos e até para Jeremoabo? Verificam também a nossa capacidade de promoção de eventos artísticos e culturais?

Desconfio que Galdino tenha razão. Resistimos admitir que haja descaso. Talvez falta de visão ou cansaço; mesmo decepção.

Bom para a cidade que ainda há os que se irritam com a inoperância dos que poderiam, pelo menos, sair da frente. Se não operam, que pelo menos saiam de cima.

Por Francisco Nery Júnior

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Uma resposta

  1. É SIMPLES! TURISMO NÃO DÁ LUCRO PARA OS APADRINHADOS DO PREFEITO PORCARIA …! O QUE DÁ LUCROS ASTRONÔMICOS É NÃO PERMITIR QUE A U.T.I SEJA IMPLANTADA M PAULO AFONSO E ASSIM AS EMPRESAS DE REMOÇÃO POR AMBULÂNCIAS PARTICULARES FATURAM MILHÕES! SIMPLES! #…TOTAL! #PAULOAFONSOPEDESOCORRO! #LIBERTAÇÃODOS…! #P.A.NÃOÉCURRALELEITORAL!

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.