Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

A presidente afastada Dilma Rousseff deve ser novamente derrotada, nesta terça-feira (9), durante a sessão de pronúncia, uma espécie de prévia da votação final do impeachment, no plenário do Senado. Nela, os senadores definem, ao votar o relatório do senador Antonio Anastasia (PSDB-MG), se o processo deve ou não ser arquivado. De acordo com levantamento realizado por O Globo, 44 dos 81 senadores devem votar a favor do parecer da comissão especial, que recomenda o afastamento definitivo de Dilma. Ainda de acordo com a publicação, esses senadores devem repetir o voto no julgamento final da petista, previsto para o fim de agosto. A enquete também mostra 18 parlamentares darão voto favorável à presidente afastada, enquanto 16 não declararam como devem votar e três não foram encontrados. Na votação desta terça, são necessários os votos da maioria simples dos senadores – metade mais um dos presentes – desde que o quórum seja de 41 parlamentares. Aliados de Dilma admitem que ela deve ser derrotada na pronúncia, mas ainda exibem esperanças de que o cenário mude no julgamento final. “É muito provável que passe [o relatório de pronúncia]. Trata-se de maioria simples. É provável sim. Mas vamos centrar nossa intervenção na votação do processo mesmo”, disse o líder do PT no Senado, Humberto Costa (PE). Para o líder do governo na Casa, Aloysio Nunes (PSDB-SP), o relatório será aprovado nesta terça e, no julgamento final, Dilma será afastada definitivamente. “Não tenho nenhuma dúvida. Ninguém mais acredita que Dilma possa voltar à Presidência da República. Isso é fato absolutamente consensual. A votação desta semana não está chamando muito a atenção, é por maioria simples, apenas uma discussão do parecer do senador Anastasia, que é muito convincente. Não existe muita tensão política em torno dessa votação”, afirmou Aloysio.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.