Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

A beleza acachapante da capital da energia, cidade que conta pouco mais de 57 anos, se permitem abusar da prosa: fosse mulher seria uma Lolita voluptuosa, pela atração que magnetiza jovens e adultos. À primeira vista tudo é organizado, limpo e bem administrado. Porém, nas suas entranhas, o pauloafonsino quer de nascimento ou de opção convive com uma realidade desafiadora: a falta de emprego e, como consequência, de um desenvolvimento capaz de equalizar distorções para que assim, a beleza de fato se imponha.

Este ano o cidadão terá em suas mãos a faculdade de mudar o rumo da cidade. Aqui não cabe, a princípio, avaliar candidaturas e imprimir opiniões, até porque não existem ideias para serem julgadas. Cumpre, sobretudo, diagnosticar através de um diálogo honesto com agentes políticos, líderes comunitários, autoridades e o povo, um caminho possível para que esta cidade possa finalmente se tornar uma potência. Se existe vocação para a indústria, além do turismo, qual seria?

Através de entrevistas, da participação popular, da interatividade vamos conhecer melhor os problemas e as possíveis soluções apresentadas por Paulo Afonso, da área rural à urbana. A equipe do site Ozildo Alves tem a responsabilidade diária de informar milhares de pessoas, através de um trabalho sério e comprometido. O jornalismo nestes moldes é o campo mais adequado para a produção de um conhecimento crítico sobre os acontecimentos do seu tempo. O nosso tempo é agora.

Isto implica necessariamente afastar pela força da lei, onde a Constituição nos resguarda, qualquer empecilho que venha assediar o trabalho da imprensa livre. Em última análise, através de sites, rádio, impressos etc., a grande função do jornalismo reside justamente em intervir nas questões sociais.

Paulo Afonso será apresentada pela beleza, mas também seu aspecto feio, e assim seguem seus opostos, também na política, afim de pluralizar o debate. O site Ozildo Alves sabe das suas atribuições e responsabilidades, principalmente pelo leitor que cultivou ao longo desses anos, bem como seus parceiros comerciais sem os quais não seria possível praticar a independência, a parte de achaques políticos e perseguições.

2016, com a graça de Deus, continuaremos firmes neste compromisso, porque a mazela social, a desigualdade de oportunidades, a exploração dos humildes, a falta de compromisso com a coisa pública não é parte da paisagem. E enquanto for para a nossa cidade um problema crônico é um dever nosso encontrar formas de registrar.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.