Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

"No momento que voçê deixa fluir seu lado vingativo para prejudicar os país de familia de receberem seus salários, isto mostra que esses não estão preparados para governar o povo". (Arnaldo Ferreira)

"Muito bem! Continuam sendo uma oposição acéfala. Não sabem nem o que estão votando. Só recebem a ordem de incomodar a prefeita! E Glória vai voltando as trevas". (Rivardo)

As opiniões acima mostram o tamanho do erro cometido pelos vereadores que fazem oposição ao Governo da prefeita de Glória-BA, Ena Vilma Negromonte (PP). Para você entender melhor a repercussão sobre a infeliz decisão dos vereadores oposicionistas, a jornalista Ivone Lima conta o que aconteceu. Veja no texto a seguir:

Na última sexta-feira (18), aconteceu uma reunião extraordinária na Câmara Municipal de Glória. O motivo: votar um projeto de credito adicional proposto pelo executivo, pouco mais de R$ 950 mil.

Fosse apenas para votar o crédito sem saber o destino da anulação, a oposição estaria de parabéns em reprovar. Porém, até quinta-feira (17), ainda se avaliava o desgaste da não aprovação pelo G6 – grupo que compõe a oposição, em maioria na casa, na base do governo são cinco vereadores – isto porque era do conhecimento geral que a verba seria para pagar funcionários de algumas pastas, entre elas Educação e Saúde.

Bastou a prefeita Ena Vilma Negromonte (PP) anunciar que efetuou o pagamento dos professores, para a oposição confirmar a negativa – professores fazem barulho, têm sindicado forte, sabe como é, né?- diante disto não se viu mal nenhum em punir os funcionários da Saúde. Vamos lá: reprovar um crédito adicional cujo destino é pagar funcionários é uma estratégia? Não, é burrice.

Até porque, convenha-se, mostra um método: se minha questão é política o povo que se dane! Em outras palavras, é uma propaganda ruim para quem sonha em ser governo. Antes, que se façam as críticas, mas preservem sempre o direito do povo, em particular, dos funcionários receberem seus proventos. O que aconteceu na última sexta-feira em Glória, é, para onde se vá com a questão, uma estupidez.

Então, na visão do G6, uma enfermeira vale menos que uma professora, por assim dizer. É um critério que apresenta ideias inovadoras? Ou um apetite desenfreado em desgastar a prefeita para, quem sabe, obter ganhos eleitorais? Com os nomes de que dispõe a oposição, até se estranha tal escolha.

Contudo, nunca é demais lembrar, Mário Júnior (PP), que um amor não correspondido, leva a torturas psíquicas, traduzida com maestria por Lupicínio Rodrigues: “/Que adianta eu encobrir as aparências/ se me olhando/ todo mundo vai lhe ver…”.

Para entender: segundo o deputado, o que acontece na oposição é a famosa dor de cotovelo, quem nunca teve a sua, que atire a primeira pedra:
“Batam em mim, agora tem muitas coisas para vocês falarem, mas não prejudiquem o povo de Glória, não!, Glória hoje é uma cidade, antes o que tinha aqui? O que os seus deputados trouxeram para cá?, isso machuca, quero que digam por que votaram contra os servidores do município? Digam por quê?”.

“/Êtá dor/ que não devolve quem se ama/ êta dor/ que ninguém quer dizer que tem/ disfarçada num sorriso mentiroso/ é um pedaço de saudade de alguém…”/

Hoje (21), o presidente da Câmara, José Nilson (PSD), deve convocar mais uma reunião, para resolver a querela. Não se sabe se a consciência dos nobres vai pesar para voltar na decisão. Ou melhor, se o bom senso prevalece. Por óbvio que o governo de Ena Vilma tem seus erros, mas quando a pauta é de interesse da coletividade não há o que discutir.

“/Êta dor/ de cotovelo dos infernos/ que saudade/ que vontade de morrer…/”

Leia também: Oposição de Glória vota contra Projeto de Lei e servidores ficam sem receber salários

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.