Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

Mais contidos para a reunião desta segunda-feira (23), os vereadores de Paulo Afonso, estavam num clima de ressaca, por assim dizer, pelas baixarias propagadas na reunião da última semana (16).

“Eu quero dizer ao povo de Paulo Afonso, que o papel do vereador é fiscalizar, criticar e apresentar propostas ao executivo e isto eu tenho feito, não venho aqui fazer ofensa pessoal a ninguém porque aqui não é rinha”, disse Aureliano, referindo-se ao palavrório da última semana.

Segundo informou o vereador, a justiça de Paulo Afonso vai ter muito trabalho: “No devido tempo, no tempo certo, nos canais competentes eu vou dar a resposta aos difamadores, não perdem por esperar.”

Luiz Aureliano apresentou ao público, colegas e especialmente ao presidente Petrônio Nogueira (PDT), um documento formulado pela secretária Gorette Moreira com todos os pedidos de informação enviados ao executivo, alguns há mais de um ano, sem que a prefeitura tenha informado rigorosamente nada.

Acinte! falta de respeito com o parlamento, com o povo de Paulo Afonso, pois nós não temos acesso ao TCM, se não passam as informações à Câmara, como podemos ter certeza que o dinheiro dos pagadores de impostos servem exclusivamente à coletividade? Como? Dentre estes requerimentos a Câmara quis detalhes sobre como seriam aplicados à primeira parcela do pagamento do terreno vendido para a construção do shopping, cerca de R$1,7 um milhão e setecentos mil reais. Se você disse?

A situação

O líder do governo, Marconi Daniel (PV) não se ateve aos requerimentos, não disse uma sílaba sobre a inexplicável resistência da prefeitura em informar à Câmara o que se passa com o dinheiro do povo, mas foi preciso na defesa do prefeito, vale o destaque;

“Em sessões passadas aqui, o prefeito foi tratado de ditador, ditador enrustido, isso trata-se de política? Ou de algo pessoal? Eu acredito plenamente que seja pessoal, fazer grupo de políticos em bares e chamar o senhor prefeito de ladrão, isso é política ou é algo pessoal?” indagou Daniel.

Acusação

O vereador Edson Oliveira (PP) – permita-me pô-lo no meio de campo, pois ainda está confusa, sinceramente, a sua posição – fez menção ao projeto de Luiz Aureliano:

“Aqui foi dada a entrada em projetos que pedem a extinção de bancadas de minoria, é bom que se diga a verdade, este vereador que vos fala foi tentado, foi ser aliciado para que alguém pudesse ficar com 40% da verba, foi por isso que se gerou este manifesto para retirar esta verba.”

Segundo afirmou Edson, Luiz Aureliano só fez o pedido da extinção dessas verbas porque não obteve êxito em ficar com uma parte: “E agora vem dizendo que é para a economia do município”, ironizou.

Compartilhar

Share on whatsapp
Share on facebook
Share on twitter
Share on linkedin
Share on print

VEJA MAIS

COMENTÁRIOS

Deixe uma resposta

O seu endereço de e-mail não será publicado.